A 7ª Conferência Bianual da Rede Afroeuropeans: “In/Visibilidades Negras Contestadas” irá decorrer em Lisboa (ISCTE – IUL), e é uma importante plataforma para a produção de conhecimento nas áreas de pesquisa transdisciplinar sobre racismo, culturas negras e identidades na Europa.

Esta conferência também oferece a oportunidade de fortalecer e alargar redes entre académicos, ativistas e artistas que questionem o racismo estrutural e estejam envolvidos criticamente na produção de conhecimento pós-colonial sobre a negritude europeia e a diáspora africana. Estas redes de diálogo serão promovidas através de palestras, painéis temáticos, mesas-redondas, comunicações individuais e um programa artístico e cultural.

​Esta conferência é o resultado de uma longa colaboração entre académicos, escritores e artistas de muitas universidades e institutos de pesquisa europeus e de outras partes do mundo e que deu origem à rede internacional “Afroeurope@s: Culturas e Identidades Negras na Europa”.

Com o objetivo de aprofundar o conhecimento das populações negras na Europa e a sua contribuição para a sociedade em todas as áreas da vida, a rede organizou conferências em diferentes universidades europeias: Universidade de León em 2006 e 2009; Universidade de Cádiz em 2011; Universidade de Londres e Universidade Aberta em 2013; Universidade de Münster em 2015 e Universidade de Tampere em 2017. “Sentimo-nos honrados de trazer este debate pela primeira vez para Lisboa, uma cidade com uma das maiores diásporas africanas, e que influenciou a literatura, a música, a língua e a sociedade portuguesa em geral nos últimos cinco séculos. O comité organizador local é composto por pesquisadores, artistas e ativistas de diferentes universidades e coletivos de Portugal, Brasil e Suíça”, pode-se ler no site da organização.

​O título da conferência incorpora as tensões, ambiguidades e paradoxos da Negritude na Europa.

Da mesma forma que as histórias, culturas e condições sociais das negras e dos negros são invisibilizadas pelas forças hegemónicas europeias, existe uma hipervisibilidade dos seus estereótipos na cultura popular europeia.

Além disso, enquanto a questão racial desapareceu largamente dos discursos políticos, sociológicos e administrativos (na Europa continental), e enquanto o desengajamento com o racismo institucional e estrutural foi reformulado no âmbito das novas retóricas capitalistas pós-raciais, os estereótipos raciais ainda têm muita importância, e os corpos negros continuam a ser invocados ora como convidados tolerados, na melhor das hipóteses, ora como intrusos ameaçadores, na pior.

A consequência é a prática de “incorporação de uma identidade que é declarada como impossível apesar de ser vivida por milhões”, nomeadamente europeus não-brancos, e especificamente por negros europeus. Esta identidade tornou-se ainda mais condicionada pela nova integração dos discursos de direita e as políticas de imigração mais restritivas que também afetam os refugiados e as pessoas de ascendência africana.​

A conferência aborda não só estas relações de dominação, e modos de exclusão racial, mas relaciona-se principalmente com as contestações e resistências contínuas que têm sustentado estas in/visibilidades.

Objetivo primário da conferência é focar-se nas histórias e culturas desconsideradas, e investigar sobre formas passadas, novas e contínuas de resistência e intervenção afro-europeia, nos âmbitos político, social, cultural e artístico. Isto implica ter em consideração os diferentes posicionamentos no interior da Negritude Europeia, ligados por exemplo com a origem diaspórica, língua,  género, classe social, estatuto de cidadania, sexualidade, dis/abilidades, assim como as várias formações históricas geo-espaciais e pós-coloniais.