A gigante de Cupertino está disposta a pagar muito para encontrar falhas nos seus sistemas de computação antes que sejam exploradas por outras pessoas.

Este é de longe o maior “bug bounty” – bug bónus – já proposto: um milhão de dólares, ou 885 mil euros, para encontrar uma falha na segurança dos produtos da Apple. A gigante da Web anunciou a novidade numa conferência de segurança da informação em Las Vegas.

Isto é cinco vezes mais do que o bónus habitual de 200 mil dólares até agora, de acordo com a Forbes. E, novidade, a recompensa não será mais reservada aos hackers convidados pela firma californiana, mas aberta a todos. Originalmente confinado ao sistema operacional da marca de computadores (macOS), o programa agora inclui os smartphones (iOS), relógios conectados (watchOS) e Apple TV (tvOS).

O milhão irá para quem piratear o núcleo do iOS sem que o dono do telefone tenha que fazer qualquer manipulação ou o menor clique. Além disso, a pessoa que conseguir realizar um ataque de rede, ainda sem interação do dono do iPhone, receberá 500 mil dólares, explica O1net.com. A Apple também oferece um bónus de 50% para qualquer falha de software identificada antes dos outros.

Os programas “Bug bounty” permitem que os gigantes da web superem as vulnerabilidades de segurança dos seus sistemas de computador, em vez de vê-los explorados por hackers mal-intencionados. Desde o lançamento do programa da Apple em 2016, quase 50 falhas foram descobertas. Os poucos milhões que custou à empresa não são nada comparados ao seu faturamento, quase 265 mil mil milhões de dólares em 2018.