A escritora de origem angolana Djaimilia Pereira de Almeida é a vencedora do Prémio Literário Fundação Eça de Queiroz, de 2019, com a obra “Luanda, Lisboa, Paraíso”.

Na decisão do júri, tomada por unanimidade, foi destacada a importância de a autora “desenhar [nesta obra] a solidão das personagens de forma magistral, numa contenção poética em que se estabelece o equilíbrio entre a esperança e o desespero”.

Em comunicado enviado à agência, o júri assinala também que a escritora, “através de um ‘pathos’ irónico e trabalho aturado da linguagem, resiste sempre ao óbvio e domina a narrativa do princípio ao fim”.

O galardão, no valor de 10 mil euros, foi instituído em 2014 pela Fundação Eça de Queiroz, em colaboração com a Câmara Municipal de Baião, para “promover e incentivar a produção de obras literárias em língua portuguesa e homenagear Eça de Queiroz”.

Este ano, entre os finalistas daquele prémio literário, encontravam-se David Machado, Hugo Mezena, Kalaf Epalanga e Maria Isaac.

O júri da edição de 2019 foi constituído por Bruno Vieira Amaral, Isabel Lucas, Luísa Mellid-Franco, Manuel Pereira Cardoso e Maria Helena Santana.

Em 2017, ano em que passou a bienal, o júri do prémio decidiu não atribuir a distinção, enquanto em 2016 foi premiada Filomena Antunes Sobral com “As atualizações dos romances de Eça de Queiroz para o pequeno ecrã”.

A partir desta edição, revela a organização, o galardão passa a “distinguir bienalmente uma obra ficcional (romance ou novela) escrita em língua portuguesa e publicada em Portugal por autor nacional com idade não superior a 40 anos à data da publicação”.

A entrega do prémio está marcada para 14 de setembro, na sede da Fundação Eça de Queiroz, em Tormes, no concelho de Baião, no interior do distrito do Porto.