Há exatamente um ano, saía o segundo álbum a solo de NGA, Filho das Ruas 2. Dez músicas, participações de Srta Paola, Hélvio, Deezy e Prodígio e uma recepção do público à altura das expetativas.

A pouco tempo de festejar os 36 anos, 3 de novembro de 2018, NGA mostrou com este novo trabalho uma mensagem de alegria e de mudança nos objectivos.

Um ano depois, NGA, para a as câmaras da BANTUMEN, faz um balanço sobre o peso deste novo trabalho, seja a nível empresarial, considerando que foi a primeira vez que lançou sem a MadTapes, e numa altura em que a situação financeira angolana atravessa sérias dificuldades, seja a nível pessoal, em termos da maturidade e crescimento que este trabalho representam.

“Estamos a ver resultados, não é só da nossa cabeça. (…) Um ano não é nada (…) Estamos a semear, o ir buscar tem de ser até á morte. Tens de ir buscar dinheiro e ouvir o que já fizeste, ir buscar experiência. Partilhar este momento com as pessoas… Isto não tem preço”, garante-nos aquele que muitos intitulam como o King da LS.

O documentário foi realizado por Pedro Silva, 24 anos, que considera “um privilégio poder assinar um documentário de Nga”.

“Foi uma grande oportunidade e estou bastante satisfeito com o resultado final. O mais difícil, foi mesmo filtrar dois terabytes de imagens, que nunca tinha visto e perceber que sentido poderia dar àquelas imagens, de forma a criar uma história interessante e visualmente atrativa”, disse-nos o jovem editor multimédia.