Em dezembro de 2018, o Dr. Denis Mukwege recebeu o Prémio Nobel da Paz pelo seu trabalho contra os crimes sexuais, infelizmente tão comuns no seu país, a República Democrática do Congo. Longe de ser destinado apenas à sua terra natal, o seu discurso de aceitação do prémio, que criticou o silêncio das Nações Unidas sobre o assunto, teve um alcance internacional.

É nessa perspectiva internacional que Mukwege pretende abrir as suas atividades em favor das mulheres vítimas de violência sexual.

A 1 de setembro, Mukwege anunciou no site da Fundação Panzi que lançaria um Global Repair Fund a 31 de outubro de 2019.

“Continuaremos a pedir justiça em todo o mundo para às vítimas, traçando uma linha vermelha contra a impunidade. Continuaremos a lutar pelo projeto do Fundo Global de Reparação em que trabalhamos desde 2010.

“Nunca deixaremos de prestar assistência, partilhando a nossa visão de um mundo de solidariedade e capacitando todos os sobreviventes como agentes de mudança de vítima para líder na sociedade”, disse.

Ao mencionar os países em conflito Burundi, Iraque e República Centro-Africana, Mukwege prometeu a instalação de Centros Únicos, locais de atendimento a mulheres vítimas de violência sexual semelhantes às estabelecidas no hospital que o próprio administra e onde trata, desde 1999, vítimas de crimes sexuais.