Se estás em Portugal, o verão está a acabar, mas não desanimes, os festivais não vão acabar. E já em novembro (sim, nós sabemos que ainda faltam praticamente dois meses) tens o Super Bock em Stock 2019.

Há uma ótima razão para não faltares a esta edição que vai ter lugar na Avenida da Liberdade, em Lisboa, a 22 e 23 de novembro. Michael Kiwanuka é a mais recente confirmação do festival, artista que se estreou em Portugal precisamente na Avenida, e desta vez traz novo disco na bagagem, Kiwanuka.

No ano de 1987, Muswell em Londres, viu nascer um bebé que seria uma das vozes mais emblemáticas do Reino Unido. Depois dos pais terem fugido da Uganda, forçados pelo regime de Idi Amin.

Na terra da rainha, Michael apaixonou-se primeiro pelo Rock, por bandas como Nirvana e Radiohead, o que fez com que o cantor criasse a sua própria banda, enquanto estudava jazz na Royal Academy Music e música Pop na Universidade de Westminster.

O talento para música que nascera com ele fez-se notar com o passar dos anos, era um diamante por lapidar. Gravou as primeiras canções incentivado por um membro da banda dos The Bees, Paul Butler. Mais tarde assinou um contrato discográfico com a editora Communion, onde editou dois EPs Tell Me a Tale e I’m Getting Ready.

Em 2012, Michael e a sua música foram líderes no BBC Sound Of 2012, altura em que o seu primeiro álbum Home Again foi lançado, que rapidamente se tornou num sucesso e foi nomeado para um Mercury Prize.

Depois de várias atuações à volta do mundo, Kiwanuka estava pronto para gravar um novo albúm. Love & Hate saiu em 2016, com a assinatura da Danger Mouse e com uma sonoridade diferente e mais arriscada, e mais uma vez o disco atingiu patamares onde Michael nunca pensou estar – líder dos tops em Inglaterra.

Apesar das influências que tem e se fazem sentir nas suas músicas, Kiwanuka tem um estilo e linguagem muito próprios. A sua sonoridade é um cruzamento interessante entre o folk, indie rock e r&b. E pelo single “Money” com Tom Misch – lançado há dois meses atrás – é isso mesmo que vamos ouvir.

O seu terceiro álbum, homónimo, tem novamente o selo da Danger Mouse, e chega-nos a 25 de outubro deste ano. O público português tem praticamente um mês para ensaiar as novas músicas que serão apresentadas no Super Bock em Stock, em novembro.

Para o Festival de dois dias já estão confirmados Ady Suleiman, Balthazar, Curtis Harding, Ghostly Kisses, Helado Negro, Kevin Morby, MEUTE, Michael Kiwanuka, Nilüfer Yanya, Sinkane e Viagra Boys.

O bilhete único válido para os dois dias do evento encontra-se já à venda nos locais habituais, pelo preço de 45 euros, nos dias do Festival os bilhetes custam 50 euros.