É difícil encontrar apenas uma forma para descrever o trabalho do artista plástico, Blackson Afonso. É certamente mais do que se espera, com cores que vão de encontro aos sentimentos. Os quadros parecem gritar por África, cada traço seu almeja o mundo, ao sentimento de quem os vê e apela à emoção entre as palavras e os olhares de quem aprecia arte, no seu todo.

As mãos de Blackson passam na tela como se de algodão tratasse, ponto por ponto, de forma suave como se nada o aborecesse. É necessário precisão, atenção para que cada ponto seja colocado no sítio certo. É a arte do pontilhismo. Mas não se deixem enganar, a arte de Blackson é mais do que isso, a sua essência na forma mais pura, é poesia, a que transmite sensações.

O verão do artista foi passado entre tintas, telas, rostos e fotografias. O que resultou numa nova exposição “Faces & Feelings”, que será apresentada no dia 19 de setembro e pode ser visitada e apreciada durante dois meses no Hotel do Chiado, em Lisboa.

“Nessa exposição vão poder sentir essas faces, criar sentimentos e sensações pelas telas e ao mesmo tempo consciência sobre as pessoas que estão à nossa volta, dando mais atenção ao próximo. Para mim não existe nada que transmita mais do que uma cara, a cara não mente, basta olharmos com atenção”, explicou Blackson Afonso, em exclusivo à BANTUMEN.

Hotel do Chiado / Blackson Afonso
Exposição “Faces & Feelings” de Blackson Afonso / Hotel do Chiado

De acordo com Vilan Monroy, uma das organizadoras do evento, “ponto por ponto marca o segundo que fixa o tempo da emoção. A cada ponto desenha o contorno, espelha na tela a alma, dá cor à obra e liberta o traço da expressão. Unidos revelam, em silêncio, o que pulsa dentro. São pontos poetas a reinventar a arte que perpetua a criação.”

Blackson pretende com esta exposição permitir que as pessoas possam ver além das figuras que possam parar no tempo e ver realmente as faces que os rodeiam. “Muitas vezes basta um sorriso, ou um olhar para mudar o nosso dia. E isso só pode acontecer se nós olharmos com olhos de ver, quase como sentir essas faces, essas pessoas, essa natureza”, concluiu o artista.

A entrada na exposição é gratuita. O hotel é conhecido também por abraçar exposições com vários artistas de diferentes estilos. As exposições fazem parte do projeto social do hotel que, além da visibilidade que dá aos artistas, também tem uma vertente social, uma parte do dinheiro das vendas dos quadros reverte para uma associação.