O ranking dos artigos mais lidos dos últimos sete dias começa com a opinião de Tulymong sobre o novo álbum de Cage One. Segue-se a nossa entrevista a Aifos da B-ünik, a nova música de Soraia Ramos com Gson, a entrevista a Jair MC e a exposição Face & Feelings de Blackson Afonso.

1 – ABRA, o melhor álbum de Cage One

O álbum chegou às ruas dia 14 de setembro, com 20 músicas, acompanhado de várias combinações de temas, skills e produções que poderiam não dar certo, mas o resultado foi surpreendente.

2 – Aifos: “Este projeto tem a consistência e a qualidade para me levar mais longe”

Igor de Carvalho é Aifos. É filho de um dos grandes nomes da música angolana mas o seu caminho trilha-o sozinho. Faz parte da produtora B-ünik e a sua dedicação à música promete leva-lo longe. Com novo EP à vista, traçamos o perfil do artista.

3 – Soraia só trabalha para hits. “I Love You Too” sai com Gson

O sucesso do último tema de Soraia Ramos, “Bai”, é incontestável. E como dizem: “os números não enganam”. “Bai” conta com mais de seis milhões de visualizações no YouTube. E temos que concordar que a música deu mais vida ao verão – foi lançada em junho – fez com que o mundo prestasse mais atenção na Soraia Ramos, autora do EP Um pouco de mim e responsável pelos hits “Diz-Me”, “Agora Penso Por Mim”, “Quero Te Ver Mexer” com Mc Kekel e “Meu Marido”.

4 – Jair MC: “Quero que as pessoas vejam verdade e entrega na minha música”

Podemos assumir que o rap feito na “tuga” tem uma identidade ou mesmo uma “linguagem” ao qual as letras têm de se reger? O crioulo há dez anos era ostracizado – falado por imigrantes e seus descendentes e muitas vezes associado a marginais – hoje já é banal, passa na rádio, os miúdos brancos ouvem rap crioulo e até sabem as letras de cor… mas a aceitação ainda está longe de ser total. Só os artistas que preencham as quotas da considerada “normalidade” é que passam a ser mainstream nos meios de comunicação das massas.

5 – Sentir, olhar e criar: a arte e a sua essência na exposição “Faces & Feelings” de Blackson Afonso

É difícil encontrar apenas uma forma para descrever o trabalho do artista plástico, Blackson Afonso. É certamente mais do que se espera, com cores que vão de encontro aos sentimentos. Os quadros parecem gritar por África, cada traço seu almeja o mundo, ao sentimento de quem os vê e apela à emoção entre as palavras e os olhares de quem aprecia arte, no seu todo.