Depois de ter lançado o EP Roley, em 2017, o rapper moçambicano esteve a preparar o seu novo álbum intitulado Pensamentos. Em conversa com a BANTUMEN, Roley fez algumas revelações que giraram em torno daquilo que será o seu álbum e estado do rap moçambicano.

Em relação ao novo trabalho, Roley disse que, apesar de ser um álbum que está a ser trabalhado em vários estúdios como o da Sameblood e Cypherstudio, ele decidiu dizer que é um álbum independente e que procura viver uma nova experiência. Além de que conta com a ajuda “de um amigo, Zainadine Júnior e também do MC Donald que ultimamente tem ajudado muito na cultura musical” daquele país.

Become a Patron!

Segundo o rapper, “o critério para escolha do título do álbum foi muito simples. Como o álbum é baseado em vários factos reais, não tinha porque inventar muito”. Será um álbum bastante rico, com um leque de artistas muito interessantes e produtores que até um certo ponto dispensam apresentações e que não fazem parte do seu ciclo de amigos, o que é novidade.

Com este novo projeto, Roley pretende trazer artistas como LayLizzy e o grande “mano” Azagaia. Além deles, terá as participações vocais também de Kloro, Hernâni, Phedilson, Blaze, Mark Exodus, Ubakka, Carmen Choquice, Ace Mells, Walter Nascimento, Tsotsi Nigga e MozKid.

No lado da produção, terá o KrazyBeatz, FlyBeatz, Tino, Dj Lelo Santos, Hernâni e Ell Puto, como quem já trabalha há muito tempo e que tem sido fácil trabalhar, considerando que já se conhecem musicalmente e que têm os mesmos standards de exigência.

Como forma de promover o álbum, foi lançada a música “Faz Sentido”, com a participação de Hernâni da Silva e Sleam Nigga e produção de Flybeat. Lançado no início do mês de agosto, a música foi gravada no estúdio da Sameblood, onde Roley tem feito os seus trabalhos. Durante a conversa vídeo, tocámos no assunto que tem causado alguns debates fortes no mundo do rap lusófono.

Questionámos sobre o ponto de vista do Roley em relação a atual situação do Hip Hop em Moçambique, ao que o artista responde: “honestamente falando não está mal e nem muito bom, dá para fazer parte do movimento”. Perguntámos também se, em comparação com a nova escola angolana, que tem tido sucesso, se Roley acha que os rappers da nova escola moçambicana andam no compasso da new school lusófona, ao que respondeu rindo: “sim, tem vários (rappers)… e arrisco-me dizendo que temos melhores do rap luso”.

O álbum ainda tem o dia de lançamento previsto, mas o rapper garantiu que será lançado em novembro de forma física.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".