Sacrifício: Sangue, Lágrimas, Suor é o terceiro álbum do rapper do bairro da Cruz Vermelha, que se segue a Histórias da Minha Life (2013) e Preto e Vermelho (2016).

O álbum está disponível desde do dia 22 de novembro em todas as plataformas digitais e conta com 18 canções. Oito temas já tinham sido disponibilizados antes e contam todos com videoclipes com milhares de visualizações e streamings.

Entre as novas canções já em circulação estão “Meu Deus”, com mais de 12 milhões de visualizações e mais de 6 milhões de reproduções no Spotify; “1 de Abril”, com mais de 8 milhões de visualizações e mais de 5 milhões de reproduções no Spotify .

A abrir caminho para este álbum esteve um tema afrotrap (que ficou de fora do alinhamento) intitulado Cafeína, feito com DJ Dadda e lançado em 2018. Soma, só no YouTube, perto de 17 milhões de visualizações.

No critério de escolhas em estúdio para Sacrifício, Plutonio disse à agência Lusa que quis experimentar outros registos, para provar que é versátil e que não é músico de um género específico. Há canções mais orgânicas, há registos mais introspectivos, outras com mensagens mais impactantes.

Sacrifício tem como subtítulo Sangue, Lágrimas e Suor e remete para as realidades em que vive: “Sangue tem a ver mais com a realidade de rua, com a realidade mais pesada, o lado de bairro, o lado das vivências de periferia, e que tem a ver com criminalidade e essas coisas que vivenciei [quando era] mais novo. Lágrimas tem a ver com a parte mais introspectiva, com temas mais relacionados com amor e família, com os meus sentimentos. Suor tem a ver com ultrapassar todas as situações más e transformar em algo de bom.”

Há ainda um detalhe que Plutonio insiste em explicar. O novo álbum é dedicado ao rapper Chullage que, em 2001, se estreou com o álbum Rapresálias e que tinha o mesmo subtítulo Sangue, Lágrimas e Suor. “É o meu rapper preferido do hip hop português. (…) Foi o primeiro rapper que ouvi a falar de coisas com que eu me identificava, coisas que eu vivia dentro de casa, no meu bairro. Ele despertou-me vontade de fazer rap também”, contou.

Sabendo que tem centenas de seguidores, em particular um público muito jovem, Plutonio tenta encontrar um meio-termo entre a liberdade artística e o sentido de responsabilidade pelo impacto nos outros. “Continuo a fazer as músicas da mesma maneira, mas lembro-me de que a música pode servir como forma de incentivar jovens e pessoas mais desfavorecidas ou que têm as condições todas para vencer na vida, mas não estão motivadas”, disse.

Plutonio prepara uma agenda de concertos para 2020, estando já marcadas datas a 14 de Fevereiro, no Coliseu de Lisboa, e no dia 21 desse mês, no Hard Club, no Porto.

Lembrando que o rapper Luso-Moçambicano atuo ontem no dia 23 de Novembro pela primeira vez no Brasil, na décima edição do festival Back2Black assegurando a primeira parte da actuação da cantora norte-americana Erykah Badu. E que vai estar no dia 14 de Dezembro em Angola no festival LUANDA HIP HOP FEST acontecer no Estádio dos Coqueiros.