O multifacetado artista angolano Nástio Mosquito tem nova exposição, patente no Centro de Investigação Artística Hangar, em Lisboa. O “trabalho de preto” é o tema central da mostra com o nome No.One.Gives.A.Mosquito’s.Ass.About.Trabalho.De.Preto.

É uma exposição audiovisual, com nove soundscapes, um programa semanal de sessões áudio intitulado “No.One.Gives.A.Mosquito’s.Ass.About.Visions”; distribuição de autocolantes e folhetos; performances e colaborações que podem acontecer de forma mais ou menos espontânea, num projeto que Nástio Mosquito mantém aberto à participação de outros artistas, performers e músicos.

O título da exposição pretende provocar e confrontar-nos com as conotações negativas da expressão “trabalho de preto” — racista, esclavagista, estereótipo étnico depreciativo, entre outras — e em paralelo agencia-a como possível factor de unificação. Porque, como expõe o próprio Nástio Mosquito, o desafio é “falar com todos os pretos loiros, pretos morenos, pretos acromáticos, pretos das redes sociais, pretos com suposta representatividade ou pretos que todos os dias acordam com a vontade interior de serem resoluções de problemas”, escreveu o jornal Público..

Este projeto segue-se a No.One.Gives.A.Mosquito’s.Ass.About.Us, o universo de trabalho que o artista estreou em maio de 2019, com uma série de performances ao vivo que foi apresentada no âmbito do programa de abertura oficial da 58.ª Bienal de Arte de Veneza, então com a derivação No.One.Gives.A.Mosquito’s.Ass.About.Our.Performance.

A exposição pode ser visitada até 15 de fevereiro de 2020, no Centro de Investigação Artística Hangar, na zona da Graça, em Lisboa, de quarta-feira a sábado, entre as 15h e as 19h. As sessões áudio seguem um programa semanal e iniciam-se sempre às 19h.