Axel é o nome de um jovem rapper que se mudou para Portugal com apenas um ano. Começou a dar os seus primeiros passos dentro da arte quando entrou para o movimento jerkin’ – movimento de dança proveniente de Los Angeles, Califórnia do Sul, EUA. Começou em 2008 e ganhou popularidade à volta de todo o mundo, graças também ao grupo New Boyz – que em Portugal tornou-se muito popular no início da década de 2010.

É um dos fundadores dos Stayreal, que nas palavras do próprio, “é um grupo de sonhadores e é o melhor grupo de música da Amora”.

Na adolescência, crescendo nas ruas da Amora, Cruz de Pau, acabou por atravessar alguns problemas que o levaram a mudar-se para Inglaterra. Ficou a viver na casa de uma tia. Por lá, as coisas também não correram melhor e refugiou-se nas letras das músicas que ia compondo.

Após o jerkin, Axel foi influenciado pelo irmão mais velho, que também era rapper, e pelas séries televisivas que assistia, como “Morangos com Açúcar”. Tudo o que fazia acabava por empurrá-lo para a música. Na escola, nas atividades extra-curriculares, motivavam-no a cantar e era o que mais gostava de fazer. “Era o ideal para mandar cá para fora tudo o que sentia, de forma musical.”

Axel G
Axel G | Imagem BANTUMEN

A primeira música, “O Melhor de Mim” , foi gravada no telemóvel, no quarto da mãe. Entretanto, deu vida a outras composições, mas há uma especial. O seu melhor amigo faleceu atropelado, num 29 de setembro. O trágico acontecimento, que o marca até aos dias de hoje, deu o tema à música “29”.

“O rap é sem dúvida a melhor companhia que tenho”, afirma-nos a artista, mostrando o amor indubitável que nutre pelo que faz.

E nessa permanente construção da personalidade artística, “se não evoluíres, ficas no mesmo sítio ou recuas”. Escolher melhor quem o rodeia é um passo nessa evolução, que fez com que aprendesse mais e ganhasse “mais consciência”.

Tendo influências de Holly Hood, Dillaz, Wet Bed Gang, Prodígio, Monsta, entre outros, Axel afirma que as músicas desses artistas serviram de grandes “aulas sonoras”. O rapper quis também deixar claro que fora estes, o que acontece à sua volta nunca irá influenciar a sua música.

O artista tem data marcada para o lançamento do seu single oficial, que este considera como o seu melhor trabalho até agora, e acredita que o projeto irá mudar a sua vida e a dos seus ouvintes.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".