A quinta edição do Bad Company Fest foi dedicada à Kizomba, com nomes como Soraia Ramos, Cubita, Edgar Domingos, 2Much e Johnny Ramos em destaque no cartaz.

Dia 15 de dezembro, as portas de uma das maiores casas de espectáculos de Portugal, Altice Arena, abriram-se novamente para o Bad Company Fest, por volta das 20h30.

Mizzy Miles, Mc Stephano e Dj Pausas abriram o evento, que contou com um mix de ritmos afro urbanos.

A acompanhar os DJs e o público como hype boy estave MC Gasolina, que fez com que a espera pelos artistas fosse mais divertida.

O primeiro a subir ao palco foi Cubita. Tímida, mas presente, abraçou o público com a sua voz serena e as suas letras românticas.

Ver esta publicação no Instagram

FALTAM 6 DIAS ! #BADCOMPANYFEST2019

Uma publicação partilhada por BADCOMPANY (@badcompany_xv) a

Em entrevista à BANTUMEN, Cubita admite que “estava nervosa”. Apesar de ser a voz de vários sucessos, “é a a primeira vez que estou assim num sítio maior”, a nível de espectáculos.

O seu tipo de música é versátil e é dedicado a pessoas de todas as faixas etários, mas o público que mais demonstra amor pelo seu trabalho é o mais jovem. “Os mais novos ouvem bué. Quando vejo, tenho mensagem de fãs de 16 e 17 anos”.

Antes de o ano terminar, a cantora ainda tem dois concerto marcados, sendo um deles na passagem de ano.

Para o próximo ano, Cubita garante estilos de músicas mais diversificados. “Ritmos diferentes, o público está habituado àquela Kizomba bem lenta que fala sobre sentimentos. E vai ser lento na mesma mas vai ser também R&B”, explica-nos.

Ainda no palco do Bad Company Fest, seguiu-se Johnny Ramos, um dos pilares do estilo, que marcou o início dos anos 2000. Contudo, foi uma música mais recente, “Tu e Eu”, que mais foi pedida pelo público.

Depois da sua atuação, o cantor, que em 2020 comemora 30 anos de carreira, falou-nos sobre a sua participação. “É a segunda vez que estou a tocar no Bad Company Fest, a primeira vez foi em 2015. Eu cantei mas não tive a mesma reação que tive hoje. Agora a reação foi bastante intensa.”

Irina Barros foi outra cantora destaque e trouxe com ela Mr Carly para cantarem o single “Tua Baby”.

Os 2much também tiveram um convidado em palco, Loreta, com quem cantaram a música “Um Grog”.

“Bandida atrevida essa é a nossa vida” foi o que se ouviu não só de Monsta mas também do público que fez questão de mostrar que conhecia bem as letras das músicas do rapper.

Monsta teve com ele a companhia de Kelly Veiga e juntos cantaram os singles “Cuida de Mim” e “I Got it 2”.

Edgar Domingos trouxe de volta as melodias românticas com as músicas “Já não te conheço mais”, “Player também chora por amor”e “Senhor Incrível”.

Como artistas não anunciados no cartaz, subiram ao palco Blacka com o seu hit “Nos Ki Ten” e Mika Mendes com o clássico “Mágico”.

Soraia Ramos deu continuidade à vibe cabo-verdiana, e começou o seu concerto com “Diz-me”.

De seguida cantou “Um Pouco de Mim”, dedicada à sua mãe, e “I love you too”, o seu single mais recente. Soraia também surpreendeu o público com a presença de Lisandro, o seu irmão também cantor e vencedor do The Voice francês. Juntos cantaram “Bai” que foi o momento mais vibrante da sua atuação.

“Foi um público maravilhoso e estava à espera disso porque o amor que eu tenho recebido estes tempos tem sido incrível. Foi um show mesmo bonito, o pessoal estava cheio de energia”, disse a cantora em conversa com a BANTUMEN.

O Bad Company Fest acabou da melhor forma com a companhia da Força Suprema.

Tiveram uma banda em palco que mudou imediatamente o mood de Kizomba para um mood rock misturado com rap.

O evento começa a tornar-se uma tradição a cada fim de ano e cada edição comprova que a música afro está muito bem representada em Lisboa.