Como forma de pontecialização, crescimento do país e criação de vagas de emprego, São Tomé e Príncipe sendo um país emergente, é o primeiro país lusófono a receber apoio para investimentos sustentáveis no setor do turismo.

A iniciativa é do IFC (International Finance Corporation), organização membro do Banco Mundial, e da Sociedade para o Financiamento do Desenvolvimento (Sofid), que se comprometem a “analisar oportunidades de investimento do setor privado para projetos de turismo nos países africanos lusófonos.”

Este investimento foi anunciado e definido no memorando de entendimento assinado no evento “Dias das Multilaterais”, que teve lugar em Lisboa, em novembro.

O apoio financeiro para investimentos no sector do turismo já avançou , e é feito em parceria com Portugal, no âmbito do projeto Revive, que se destina-se à recuperação das casas das antigas roças, com objetivo de desenvolver o turismo em São Tomé e Principe, de acordo com o diretor geral do turismo, Hugo Menezes, em entrevista a RDP África.

Sgeundo a informação prestada pela Sofid, o Revive é uma iniciativa do Governo português com o objetivo de “promover o restauro do património público português com interesse cultural, histórico e arquitetónico e permitir a sua utilização para atividades de turismo.”

Citado numa nota à comunicação social, Sérgio Pimenta, vice-presidente do IFC para a África e Médio Oriente, sublinha que é o “estreitar de relações com a Sofid para o apoio a investimentos privados em mercados emergentes”.

“O turismo pode aportar grande impacto no desenvolvimento: é o segundo maior criador de emprego e pode aumentar a inclusão e emprego e gerar contribuições fiscais significativas para os governos”, acrescentou.

Já a administradora da Sociedade para o Financiamento do Desenvolvimento , Marta Mariz, também citada no mesmo comunicado, disse que acredita no impacto do setor, “nomeadamente na criação de emprego e na cadeia de fornecimento local”.