O notório rapper queniano King Kaka tem vindo a receber alegadas ameaças de morte desde o lançamento da música “Wajinga Nyinyi” – que traduzindo para português significa “Vós sois tontos”. A música é uma crítica ao povo por votar inconscientemente nos políticos.

A música tem tido uma repercussão grande no seu país natal, tendo chamado atenção de líderes e políticos quenianos. O que, consequentemente, levou a algumas ameaças dirigidas ao rapper e a uma suposta convocação da polícia.

O facto tornou-se público quando King Kaka notificou os seus fãs via Twitter da última reviravolta na controvérsia de “Wajinga Nyinyi”. “Acabei de ser convocado pelo CDI” – sigla em Inglês que significa Divisão de Investigação Criminal.

Ao contrário da reacção de indignação dos políticos ligados ao governo queniano, outros da oposição já elogiaram a última canção do rapper e apelaram também aos quenianos a porem a mão na consciência e avaliarem os líderes que elegem.

Contudo, a Divisão de Investigação Criminais (DCI), sediada em Kiambu, por meio da sua conta na rede social Twitter nega ter convocado o rapper  Kennedy Tarriq Ombima, conhecido como King Kaka.

O mesmo tweet do CDI mereceu resposta por King Kaka no tweet abaixo:

Na música “Wajinga Nyinyi”, King Kaka também a governadora de Kirinyaga, num verso que fala sobre o papel de Anne Waiguru num escândalo do Serviço Nacional da Juventude.

Anne Waiguru considerou aquele verso altamente difamatório, pois é descrita como corrupta, e reitera que nunca se provou o seu envolvimento no roubo de fundos públicos, tendo deixado um ultimato para que o rapper retirasse a música de todas as plataformas musicais, não se limitando ao YouTube, Instagram e Twitter. A política deu um ultimato de 48h para se desculpar por escrito e, caso assim não proceda, poderá vir a enfrentar um processo por difamação.

No entanto, quatro dias depois do ultimato da governadora Anne Waiguru, a mesma na sua conta oficial do twitter avisa que retirou o processo contra King Kaka afirmando que o rapper apenas queria chamar atenção.

Foram várias as vozes que se levantaram contra mas, com o passar dos dias, mais pessoas ligadas ao alto escalão da sociedade civil queniana se levantam em defesa de King Kaka, como o advogado Ahmednassir Abdullahi, conhecido popularmente como “Grande Mullah”, que promete representar o rei Kaká , se for processado por alguém por causa da sua obra-prima poética.

O advogado argumentou que o artista não difama nenhum político na sua música e que este apenas destaca a decadência da sociedade. A ex-ministra da Justiça, Coesão Nacional e Assuntos Constitucionais, Martha Karua, também disse que está disposta e disponível para oferecer aconselhamento jurídico caso seja necessário.

Assista ao video da música:

As letras de King Kaka são quase todas de cariz interventivo, e esta última não é excepção, com críticas sobre o pobre estado da Educação, da Saúde e da Segurança naquele país.