2contra1 é um famoso programa online, apresentado pela dupla Inamotto e Hélder David, que além de estar no YouTube é também divulgado no canal angolano VIDA TV, através da operadora DSTv.

Este progrma tem contribuído muito para o desenvolvimento e divulgação do movimento Hip-hop em Angola. Inamotto e o seu grande Jacaré Helder David começaram a iniciativa no segundo trimestre de 2017 e já lá vão dois anos no ar.

Entre as rubricas de análises e reações, entrevistas, Estado de Cultura e o Mestre de Cerimónia, já passaram pelo 2Contra1 artistas como NGA, Prodígio, Azagaia, IKONOKLASTA e, entre muitos outros nomes, incluíndo da nova geração do movimento.

Na última semana, como já é habitual, a dupla postou um vídeo no YouTube, onde mostra os cinco rappers e os dois grupos que vão “explodir” durante o ano de 2020.

Como analista e crítico musical, quero fazer alguns alterações nos nomes que foram proferidos pela dupla. Não por se tratar de algum erro da parte deles, mas porque tenho uma ideia um pouco diferente dos artistas que vão, figurativamente, explodir em 2020.

Os nomens sugeridos por Inamotto e o Hélder David são Jeo MC, Toy Toy T-Rex, MAMY, Elizabeth Ventura, Lurhany , Young Family e os Ascensão.

Nomes como Young Family e Ascensão têm carreira e nomes já bem firmados no mercado angolano, e só não têm mais destaque porque as carreira têm ser bem trabalhadas para ganharem consistência e simplesmente subirem e para depois caírem a pique.

Young Family teve um bom ano de 2019, tanto a nível de projetos individuais dos membros como o álbumdo grupo, lançado no final do ano. Sem esquecer que também estiveram em alta depois de se envolverem em beefs com o grupo que mais cresceu e solidificou o seu nome na última década, a TRX Music.

Para os rapazes da Young Family, recomendo olharem mais para a credibilidade que o Daboless e o Negro Bue criaram à volta da So Much More Records. Além de que, para manterem a Young Family grande, vão também ter de fazer crescer os seus nomes individuais.

Sobre os Ascensão não há muito a escrever. Ninguém questiona que são todos grandes rappers, todos muito bons, mas como grupo vão ter de fazer mais do que assinarem com uma label que está fora de Angola. Porque como grupo, que querendo ou não já foi criado há mais de quatro anos com um objetivo comercial, não podem continuar escondidos no manto do underground na preguiça à espera de um milagre, como muitos “especialistas” dizem.

As minhas sugestões para os artistsas que podem vir a aumentar exponencialmente a sua popularidade este ano são:

O Toy Toy T-Rex é provavelmente uns dos artistas angolanos que mais se ouviu no ano passado em Portugal. Esteve presente nas playlists mais importante tanto do Spotify como na Apple Music.

Claro que a definição de explodir é muito subjectiva, seja pela boa música ou pelos investimentos no marketing de cada artista. Sem esquecer que também existe o fator sorte, que não depende de nada nem ninguém .

Outra das minha apostas é o grupo B-Unik, com destaque aos seus membros Rigoberto e Mary J.

Claro que este tipo de análise nunca pode ser exata e, com certeza que, nem com a ajuda do personagem da série brasileira TV Colosso Malabi Sabe, podemos acertar a 100% em quem vão ser os próximos artistas a ter sucesso no mercado.

Quanto a Jeo MC, MAMY, Elizabeth Ventura e Lurhany têm de ver o programa 2Contra1, disponível no YouTube, e captarem os concelhos do Inamoto e do Hélder David, que se resume a: têm de trabalhar mais.