Para quem segue minimamente as novidades da moda masculina, deve conhecer Virgil Abloh. É uma das figuras negras dentro da área que maior destaque tem, além de ser o responsável pela linha masculina da marca francesa Louis Vuitton, desde 2018.

Os trabalhos de Virgil despertam a atenção de qualquer um, seja pelo minimalismo ou pela audácia que representam. Com um estilo urban-street style, Virgil mistura detalhes ligados ao grafitti, algumas figuras geométricas e não só, mas que são enquadradas perfeitamente em sneakers, bolsas, camisolas, chapéus e outras peças.

No que toca ao vestuário, o designer, que começou carreira ao lado de Kanye West, conta com uma série de linhas curiosas, como algumas peças Pyrex Vision e Off-White inspiradas no estilo da falecida Princesa Diana.

Com seu estilo meio desleixado, com roupas contemporâneas e largas, Abloh faz uma mistura entre cores neutras e tintas que transmitem excentricidade.

Recentemente, o designer surpreendeu nas redes sociais, depois de publicar na sua conta do Instagram um vídeo seu a personalizar o modelo Air Jordan 5, que marca assim, o início de mais uma colaboração.

No vídeo, Virgil aparece a recortar algumas partes do ténis, adicionando alguns tecidos e dando um novo aspecto ao modelo.

Além dos ténis, da colaboração entre Off-White & Jordan Brand nasceu uma coleção de roupas desportivas como casacos e calças de treino com detalhes bem característicos da marca de Virgil Abloh.

A coleção foi inspirada nas linhas de metro da cidade de Chicago, que é a cidade de origem dos Bulls, equipa onde Michael Jordan vestiu a camisola durante toda a sua carreira.

Desde 2017, o designer inscreveu no seu currículo colaborações com as marcas IKEA, Nike Air Force 1, Nike “The Ten” Sneakers, Moncler Outerwear, Vans, Umbro, Levi’s e outros. Recentemente, foi anunciada uma nova colaboração entre Abloh e a marca de água francesa Evian, estando o seu lançamento agendado para abril de 2020.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".