O mundo da música PALOP está de luto, duas vozes acarinhadas pelo público perderam a vida. Kueno Aionda, jovem artista que prometia gravar o seu nome entre as melhores vozes de Angola, faleceu no dia 19, de forma demasiado prematura. Seguiu-se o cabo-verdiano Jorge Neto, no dia seguinte, em Lisboa. Dono de uma energia inesgotável, o autor de “Rosinha” deixa um legado de músicas que farão parte da banda sonora da vida de muitos.

A lista dos artigos mais lidos nos últimos sete dias compõem-se com a morte também do jovem rapper de 20 anos Pop Smoke, nos Estados Unidos. Segue-se Phoenix RDC que venceu o Disco de Platina com “Vencedor” e, por fim, Yellow dos Calema no top de vendas em Portugal.

1 – Morreu Kueno Aionda

O autor e intérprete angolano Kueno Aionda faleceu, esta quarta-feira, 19. A notícia surgiu nas redes sociais e foi inicialmente confirmada pelo jornalista e apresentador de TV Cabingano Manuel.

2 – Morreu Jorge Neto

Jorge Neto, artista cabo-verdiano, que perpetuou músicas dentro da comunidade PALOP, faleceu esta quinta-feira. Zé Orlando, do Sons D’Africa e que acompanhou todo o processo hospitalar do cantor, confirmou à BANTUMEN o falecimento do artista.

3 – Rapper Pop Smoke morto a tiro durante assalto

O rapper norte-americano, Pop Smoke, de 20 anos, que tinha concerto marcado para 8 de julho na praia da Rocha, em Portimão, no festival Rolling Loud, morreu nesta terça-feira (19) durante um assalto na sua casa em Los Angeles, nos Estados Unidos.

4 – Phoenix RDC: “Vencedor” atinge Ouro e Platina

Depois de conquistar Portugal de norte a sul e Ilhas, marcado presença em inúmeros eventos e festivais e ter ganho o respeito também a nível da lusofonia é chegada a hora de Ydallo Carvalho a.k.a Phoenix RDC comemorar mais um feito. O single “Vencedor” de Phoenix RDC, que faz parte do álbum M.A.D.H.P, atingiu os galardões de Ouro e Platina e já chegou à marca das quatro milhões de visualizações no YouTube.

5 – “Yellow” dos Calema é número um no top de vendas em Portugal

Yellow, o novo álbum dos Calema, que foi lançado há menos de duas semanas, já é líder do top nacional de vendas em Portugal. O LP é uma volta às raízes da dupla, onde se mistura o dialecto de São Tomé e Príncipe, as cores de África, a cultura e as sonoridade que passam por Angola, Moçambique e Guiné-Bissau.