Luz e boa energia foram os ingredientes mais importantes no show de apresentação da mixtape Alvorada da Latino Records, que aconteceu nesta sexta-feira, no Parque OnBoard, em Talatona, Luanda.

Numa noite de clima agradável e boa música, artistas pertencentes à produtora e não só reuniram forças e subiram ao palco para apresentar variados temas de sucesso no mercado angolano.

O warm-up do evento esteve à responsabilidade do Dj Lutonda, que para muitos é considerado, atualmente, como um dos melhores deejays em Angola. Fazendo jus à sua fama, o jovem deejay foi tocando e misturando músicas muito conhecidas no mercado angolano, português e internacional.

A primeira apresentação do show foi do grupo b-boys, Perfect Crew, que com o seu jeito simples, movimentos limpos e precisos foram pontos chaves para sua apresentação, sem esquecer da selecção musical que foi baseada no componente musical da cultura hip-hop, o rap.

Vários rappers na nova escola estiveram em alta no show. Rostos novos mostraram o que têm feito, como foi o caso de Jorge Shinne que apresentou as músicas “Angolan Trap Star” e “Estrada”, partilhando o palco com Paulelson.

Os TRX Music também se fizeram presentes. Cantaram os seus hits “Mulher Mata”, “Tarde Demais”, “3 da Manhã”, que levaram ao rubro os presentes na noite da “Alvorada”.

A label Pirline que, mesmo com a ausência de alguns membros, não perdeu o brilho. O grupo de rappers cantou a música “Voz do Povo”, que foi o primeiro single lançado da nova roupagem do grupo liderado por Reptile.

Sarissari, que ultimamente tem estado a promover as suas obras dentro e fora de Angola, também subiu ao palco. Com boa vibe cantou “Não Maia”, faixa colaborativa com Lord Gaule, artista da sua produtora “Hey Hey Hey” que esteve ausente, mas, Sarissari partilhou com Duc o palco. Este último, apresentou o seu último single “Safari”.

Young Double, Ali Baba, Lurhanny também fizeram parte da festa, contribuindo com suas actuações. O show terminou com a apresentação de Riscow, rapper da Latino que com o seu jeito excêntrico e único subiu ao palco com muita energia. Com a música “Gringo” levantou o público, chegando a descer do palco para atuar com o público de forma calorosa.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".