As manifestações da Greve Climática Estudantil que estavam marcadas para sexta-feira por todo Portugal foram canceladas devido à pandemia de Covid-19, anunciou a organização do movimento.

Em comunicado, a organização justifica o cancelamento com o contexto dos últimos acontecimentos relacionados ao novo coronavírus e pela “responsabilidade social para com a saúde pública”.

“Ouvimos a ciência e os especialistas e, apesar de sabermos que os jovens são os menos afetados por este vírus, reconhecemos a importância de agirmos em solidariedade com aqueles que são mais vulneráveis”, é referido.

Na quarta-feira, a ativista sueca Greta Thunberg já tinha lançado um apelo para que a próxima greve climática mundial fosse digital, face aos receios relativos ao surto de Covid-19 e às recomendações para evitar multidões.

Face aos riscos associados ao novo coronavírus e às recomendações das autoridades para que sejam evitadas multidões e eventos com grande número de pessoas, a adolescente sueca pediu nas redes sociais aos seus seguidores nas redes sociais para manterem “os números em baixo e o espírito em alta”.

Greta Thunberg disse que o desafio é encontrar novas formas de criar atenção pública em defesa de mudanças que não envolvam potenciar a formação de grandes aglomerados de pessoas.

Na NBA, uma semana depois de ter lançado um comunicado em que erradicava o “high-five”, além de outras medidas de prevenção, a organização informou nesta quarta-feira que suspende por tempo indeterminado a temporada 2019/2020.

A decisão foi tomada depois do jogador francês Rudy Gobert, dos Utah Jazz, de 27 anos, ter testado positivo ao COVID-19.

Na liga principal de futebol espanhol, todos os jogos estão igualmente suspensos. As entidades desportivas espanholas decretaram, esta quinta-feira, a suspensão das duas próximas jornadas da LaLiga e da 2.ª liga.

A decisão resulta de uma reunião que juntou responsáveis da federação, da liga e do sindicato dos jogadores, para avaliar as medidas a adotar perante a propagação do Covid-19 no país.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou quarta-feira a doença Covid-19 como pandemia. A OMS justifica a declaração de pandemia com “níveis alarmantes de propagação e de inação”.

A pandemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.500 mortos em todo o mundo.

A Itália é o caso mais grave depois da China, com mais de 12.000 infetados e pelo menos 827 mortos, o que levou o Governo a decretar a quarentena em todo o país.

Em Portugal, a Direção Geral da Saúde (DGS) atualizou na quarta-feira o número de infetados, que registou o maior aumento num dia (18), ao passar de 41 para 59.

A região Norte continua a registar o maior número de casos confirmados (36), seguida da Grande Lisboa (17) e das regiões Centro e do Algarve (três cada).

No total, desde o início da epidemia, a DGS registou 471 casos suspeitos.