Na incessante procura de conteúdos online para nos distrairmos, encontrámos três séries disponíveis gratuitamente no YouTube, que te vão ajudar a espantar o aborrecimento nesta quarentena.

A Geologia, num dos seus capítulos que aborda o tema ligado à separação dos continentes, ou seja “Teoria da deriva continental” (por Alfred Wegner), mostra de forma clara de como África sempre esteve muito unida com a América do Sul, geologicamente.

Ver esta publicação no Instagram

A teoria da deriva continental propriamente dita foi formulada ao inicio do século XX, tendo surgido a partir das ideias do alemão Alfred Wegener em 1915 , um acadêmico e explorador que se dedicava a estudos meteorológicos , astrônomos, geofísicos e paleontológicos, entre outros. . A partir da observação do encaixe dos continentes, Wegener fez diversas expedições com o intuito de encontrar coincidências que comprovassem sua teoria, e como um quebra-cabeça ele remontou um só continente, chamado por ele de Pangeia (pan do latim = todo, inteiro; gea = Terra). A teoria argumentava que após a formação do supercontinente Pangeia, o mesmo teria se fragmentado, dando origem aos continentes e oceanos que conhecemos atualmente. . Com a publicação do seu livro A Origem dos Continentes e Oceanos, em 1915 estava criada a teoria da Deriva Continental. . 👉Material completo em: http://igeologico.com.br/teoria-da-deriva-continental/. . . #derivacontinental #geologia #alfredwegener #geology #pangeia #geological #geologist #geologo #igeologico

Uma publicação partilhada por Comunicação em Geociência (@igeologico) a

Além de que, durante o período da escravatura, a cultura africana passou a fazer parte integrante, por exemplo, do Brasil, através dos escravos, o que acaba por se tornar em mais um elo de ligação entre os dois continentes. Dessa ligação, nasce o documentário Do outro lado de lá, realizada por Lázaro Ramos.

Do outro lado de lá

Em 2017, o ator brasileiro Lázaro Ramos, reuniu seis episódios e convidou-nos a descobrir a beleza da cultura africana aos olhos de uma criança chamada Pitoco.

Pitoco é uma criança residente numa comunidade que está em eminência de ser demolida. Durante a produção, Pitoco ouve do avô as histórias sobre ancestralidade do lado de lá, África. O jovem protagonista experimenta novos sentimentos e passa a ter uma percepção real acerca da sua própria história.

Numa miscelânea de lendas do continente berço, a série “busca reafirmar o orgulho da ancestralidade africana e o quotidiano da população brasileira”.

A parte técnica é constituída por Lázaro Ramos na direção, roteiros de Chica Carelli e Elísio Lopes Júnior e uma produção de Lata Filmes com Tânia Rocha. O elenco é composto por nomes como Mauricio Tizumba, Nicollas Paixão, Dani Ornellas, Kawane Weza entre outros nomes.

Reinos Perdidos de África

“Reinos Perdidos de África” é uma série-documentário da BBC Four. A mesma descreve a história na época pré-colonial de África, narrada pelo palestrante, historiador e locutor de descendência ganesa, Dr. Gus Casely-Hayford. Esta viagem é composta por quatro episódios, que envolvem a história de África, especificamente, as histórias de “Núbia”, “Etiópia”, “Grande Zimbabwe” e “África Ocidental”.

Mojubá

“Mojubá”, uma saudação iorubá, língua predominante na Nigéria, é um documentário lançado no início dos anos 2000, pelo canal Futura, que fala sobre religiões de cariz africano.

As imagens que foram captadas no Brasil, desde Maranhão, Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo, e contam de forma lúdica e informativa a história dos quilombos e de outros valores da cultura negra, presentes na cultura brasileira.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".