“De onde venho, chegar a jogador de futebol significa que sacrificaste tudo o que tinhas”. A frase é do génio do futebol, Sadio Mané, dita durante o documentário que revela o desenrolar da sua vida desde os campos de terra batida senegaleses até ao relvado do inglês Liverpool.

“Sadio Mane Made in Senegal” é um lembrete de como era a vida antes desta pausa indefinida do futebol e que vai desafiar até o mais ferrenho adepto do Manchester United a tentar não ficar emocionado com a história incrível de Mané.

O jovem jogador de 28 anos cresceu numa pequena aldeia senegalesa, Bambali, e a sua família, além de não acreditar no seu talento, não queria que Mané perseguisse o seu sonho de se tornar jogador de futebol.

O seu pai faleceu quando Mané tinha apenas sete anos e acabou por ser criado pelos tios – no seio de uma família de imãs, líderes religiosos muçulmanos -, para quem a educação era prioridade.

“O meu tio não queria que eu jogasse porque achava a escola mais importante. As coisas ficaram complicadas porque ele não gostou [quando decidi continuar a jogar]”, diz Mané durante o documentário de cerca de uma hora.

Enquanto criança, as bolas de futebol não eram de fácil acesso, e o ponta-esquerda do Liverpool ganhou uma obsessão por objetos redondos, como toranjas ou mesmo pedras.

Em 2008, aos 16 anos, Mané decidiu que tinha de continuar a lutar pelo seu sonho e decidiu fugir para Dakar, para tentar integrar um clube.

Durante sua carreira, Mané foi chamando a atenção enquanto ainda jogava na Áustria com o emblema dos Red Bull Salzburgo. Dando um salto posteriormente ao Southampton em 2014, chegando até ao Liverpool em 2016.

Contudo, acabou por ser encontrado e levado para casa, mas concordou com a família que no ano seguinte não haveria mais escola e apenas “futebol, futebol, futebol”.

Com as imagens descobrimos também que a mudança de África para a Europa, para integrar o FC Metz, em janeiro de 2011, foi um choque. A primeira coisa que chamou a atenção do atleta foi o vento, relembra ao contar a reação de surpresa dos seus colegas ao verem-no sair do balneário em t-shirt.

Além do depoimento na primeira pessoa, o documentário conta também com a presença de diversas pessoas que partilharam e contribuíram para o crescimento do jogador e vice-versa, com destaque para o treinador do Liverpool, Jurgen Klopp, o jogador egípcio Mohamed Salah e Aliou Cissé, atual técnico da seleção senegalesa.

Ficámos ainda a saber que um dos seus grandes objetivos é levar para casa, Senegal, a taça da Copa das Nações Africanas com os “leões”, principalmente porque Mané ainda não caiu nas graças dos adeptos da sua seleção. Um dos motivos é ter falhado um pénalti nos quartos de final da CAN de 2017.

Para assistires a “Made In Senegal” tens de te inscrever, gratuitamente, na plataforma Rakuten TV, mas podes ver abaixo o trailer divulgado no YouTube.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".