Esta semana começamos o top cinco dos mais clicados com duas crónicas #CoronaTalks, de São Tomé e Guiné-Bissau, respetivamente. Na terceira posição ficou o artigo sobre os famosos Pallbearers do Gana; seguindo-se a entrevista a Dani Ella e o novo single de NGA com Prodígio e Monsta.

1 – CoronaTalksSTP: Relatos de uma ilha com gripe real e doentes imaginários, por Ivanick Lopandza

No primeiro dia, ouvíamos falar que, lá longe, umas pessoas morriam como peças caindo de um tabuleiro. Mas as peças eram asiáticas, não nos importámos muito. A vida seguia aqui na nossa República e em outros países também.

Quando o mal-estar chegou à Europa a Itália já causava as primeiras insónias aos demais incrédulos. A doença se fez branca, as mortes levemente deixaram de ser estatística e começou a causar ansiedade nas classes santomenses mais abastadas, pois, não mais poderiam viajar sem um pouco de receio.

2 – CoronaTalksGuiné: “Um belo cocktail explosivo”, por Rosete Fadul

Corona Vírus; Covid-19; Quarentena; Distanciamento Social. São as palavras-chave deste tão aguardado 2020.

Sou guineense e vivo na Guiné-Bissau, um país pobre sem aproveitamento dos seus vastos recursos naturais, mas rico em calor humano. Calor este que foi, obrigatoriamente, reduzido ao frio da saudade das pessoas com quem habitualmente convivíamos diariamente, fora do ambiente domiciliar.

3 – Quem são os Pallbearers, os portadores de caixões que se tornaram memes?

Tudo começou no Gana. Em dezembro de 1997 muitos conheceram a história, depois do jornal americano Washington Post ter escrito sobre o assunto e a importância dos rituais fúnebres que existem à volta de África. Em particular no Gana, onde esses eventos são vistos como sociais criativos e coloridos destinados a celebrar a vida. Um nome importante ligado a essa realidade são os Pallbearers, os homens que carregam os caixões e que, no meio da pandemia e quarentena, os seus vídeos tornaram-se virais e popularizaram através de um meme que rapidamente tomou de assalto as diferentes redes sociais. 

4 – Danni Ella, o talento e perseverança em pessoa

Ter talento nem sempre é o suficiente para singrar no mundo das artes. Principalmente na área da música. Dani Ella já o pôde comprovar na pele, mas reinventou-se para poder contornar as vicissitudes da estrada artística e ver o seu talento reconhecido. Nas veias corre-lhe o sangue cabo-verdiano, cuja herança cultural no mundo da música africana é inegável, fora o facto de Dani Ella ser filha de um músico e irmã de um dos nomes mais sonantes da esfera musical PALOP da atualidade, Soraia Ramos. Contudo, o talento é um poder individual e Dani quer percorrer o seu caminho pelos seus próprios pés.

5 – NGA, Prodígio e Monsta deixam quarentena mais rija com “4 ou 5”

O novo single “4 Ou 5” de NGA, Prodígio e Monsta foi publicado com videoclipe no canal de YouTube do “Rei da LS”. 

O single é o primeiro de uma sequência de vários, que serão publicados ao longo das próximas semanas, todas as sextas-feiras. A sequência ganhou o nome de #QuarentenaRija.