O Ruanda reforça a luta contra o COVID-19 com cinco robôs para diminuir o contacto entre pacientes de profissionais de saúde. Akazuba, Ikirezi, Mwiza, Ngabo e Urumi são os cinco robôs doados ao centro de tratamento de Kanyinya no Ruanda, pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que atende pacientes infetados com o coronavírus na cidade de Kigali.

Recebidos pelos Ministros da Saúde e TIC e Inovação, os robôs foram fabricados na Bélgica e realizam inúmeras tarefas ligadas ao tratamento da doença, podendo analisar os sintomas do vírus até 150 pessoas a cada minuto.

Em declarações à agência de notícias espanhola Efe, em Kigali, Daniel Ngamije, Ministro da Saúde daquele país disse que “os robôs fazem agora parte da nossa luta contra a covid-19”.

Dr. Daniel Ngamije disse que os robôs também têm a capacidade de capturar informações sonoras e visuais dos pacientes, podendo igualmente notificar os profissionais de saúde sobre o estado dos infetados.

Reforçando que, além destas atividades, os robôs têm a capacidade de fornecer alimentos, medicamentos e outros utensílios essenciais aos pacientes, evitando assim o contacto direto com profissionais de saúde e o seu possível contágio.

Os robôs estão programados para trocarem informações de forma adequada de formas a educar pacientes e profissionais de saúde sobre os perigos do vírus e cuidados a ter.  

Atualmente o país regista 329 casos confirmados de COVID-19 e, segundo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número de mortos no continente subiu nas últimas 24 horas de 3.471 para 3.589 (+118), enquanto os casos de infeção aumentaram de 115.346 para 119.391 (+4.045).

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".