Serge Abraham Thaddée, 26 anos, é o jovem programador e empreendedor da Guiné-Conacri por trás de um jogo inspirado em heróis africanos, “African Heroes”.

Um independentista guineense da década de 1950, um movimento de resistência contra o colonialismo ou o rei Chaka Zulu, são alguns dos intervenientes de “African Heroes”.

Thaddée trabalha nas suas criações virtuais na sua incubadora de startups Saboutech, em Dixinn, uma das sub-regiões da capital da Guiné-Conacri, construída pelo empresário e bilionário francês Vincent Baloré.

“African Heroes” foi apresentado ao público em outubro de 2019 e é um videojogo que destaca a cultura ancestral africana através da resistência colonialista e heróis da independência e está subdividido em vários modos. O primeiro, “Destiny”, conta a história de M’Balia Camara, uma ativista morta durante as lutas pela independência da Guiné-Conacri em 1955.

Na sua vida virtual, a luta da heroína visa encontrar a famosa máscara Nimba – oferecida ao presidente Ahmed Sékou Touré em 1960, antes de ser roubada e depois encontrada -, forçando-a a batalhar com certos personagens, como a deusa das águas, Mami Wata. Também encontramos Samory Touré, fundador do império Wassoulou, e Zebela Togba Pivi, outra famosa resistência ao colonizador francês.

O segundo modo, “Honra”, coloca o jogador em contato com os maiores guerreiros de África e oferece a possibilidade de jogar com outras pessoas, através de um sistema Bluetooth. Seguindo os passos do historiador senegalês Cheikh Anta Diop, Serge encenou faraós negros do Egipto e ressuscitou o rei Chaka Zulu. “Estamos a trabalhar para tornar o “African Heroes “universal e concorrer com produções ocidentais. Tentámos tornar os cenários o mais realistas possível e destacámos os grandes heróis africanos que realmente existiram “, disse o cientista da computação à Jeune Afrique.

Serge é formado em Engenharia da Computação pela International University College, uma instituição privada em Conakri, e tem uma especialização em animação 3D.

A sua equipa é formada por jovens estudantes do ensino secundário e três profissionais especializados em tecnologias de programação e animação.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade urbana lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.