Depois do continente africano ter registado um aumento de 25% de casos de covid-19 na última semana, a África do Sul torna-se no primeiro país africano a testar uma vacina contra o coronavírus.

Segundo Shabir Madhi, professor de vacinologia e co-diretor da African Leadership Initiative for Vaccinology Expertise – ALIVE (Iniciativa de Liderança Africana para Especialização em Vacinologia, em português), esta vacina é uma colaboração entre a Universidade de Wits e Oxford, que avaliou a eficácia da “Ox1Cov-19” naquele país.

Para Shabir, trata-se de “um momento marcante para a África do Sul e África nesta fase da pandemia de Covid-19″, tendo sido iniciada a triagem dos participantes para o Oxford African 1 Covid-19 na semana passada e aplicação da vacina marcada para esta semana.”

O teste de vacinas na terra de Mandela foi submetido a uma rigorosa revisão e foi aprovada pela South African Health Products Regulatory Authority – SAHPRA (Autoridade Reguladora dos Produtos de Saúde da África do Sul em português) e pelo comité de Ética em Pesquisa em Humanos da Universidade de Wits.

Denominada tecnicamente como ChAdOx1 nCoV-19, esta vacina é produzida a partir de uma versão enfraquecida e não replicante das “gripes” comums (adenovírus) de um vírus chamado ChAOx1.

A vacina foi projetada para se “comunicar” com a proteína spike SARS-CoV-2 (coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2), as glicoproteínas de pico normalmente são encontradas na superfície do novo coronavírus, estes desempenham um papel na ativação de infeções da doença, pois o vírus usa o SARS-CoV para se ligar aos receptores ACE2 nas células humanas.

“Enquanto o mundo se une para encontrar soluções de saúde, um esforço sul-africano para o desenvolvimento de uma vacina eficaz COVID-19 é uma prova do nosso compromisso de apoiar a inovação em saúde para salvar vidas.”, expressou a presidente do Conselho de Pesquisa Médica da África do Sul, Professora Glenda Gray.

Fora a África do Sul, espera-se que estudos semelhantes sejam realizados igualmente nos Estados Unidos e no Brasil.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".