Beyoncé tem novo projeto musical, que é também um filme, e é uma ode à experiência negra. Black is King vai estar disponível no dia 31 de julho na Disney+.

Escrito e realizado pela artista, a nova obra foi inspirada pelo remake d’O Rei Leão (2019), onde Beyoncé deu voz a Nala e participou ativamente na banda sonora com o disco The Lion King: The Gift.

Voir cette publication sur Instagram

I typically keep comments short and sweet, but I just watched the trailer with my family and I’m excited. 🎶please don’t get me hype🎶🤪 “Black Is King” is a labor of love. It is my passion project that I have been filming, researching and editing day and night for the past year. I’ve given it my all and now it’s yours. It was originally filmed as a companion piece to “The Lion King: The Gift” soundtrack and meant to celebrate the breadth and beauty of Black ancestry. I could never have imagined that a year later, all the hard work that went into this production would serve a greater purpose. The events of 2020 have made the film’s vision and message even more relevant, as people across the world embark on a historic journey. We are all in search of safety and light. Many of us want change. I believe that when Black people tell our own stories, we can shift the axis of the world and tell our REAL history of generational wealth and richness of soul that are not told in our history books. With this visual album, I wanted to present elements of Black history and African tradition, with a modern twist and a universal message, and what it truly means to find your self-identity and build a legacy. I spent a lot of time exploring and absorbing the lessons of past generations and the rich history of different African customs. While working on this film, there were moments where I’ve felt overwhelmed, like many others on my creative team, but it was important to create a film that instills pride and knowledge. I only hope that from watching, you leave feeling inspired to continue building a legacy that impacts the world in an immeasurable way. I pray that everyone sees the beauty and resilience of our people. This is a story of how the people left MOST BROKEN have EXTRAORDINARY gifts.❤️✊🏾 Thank you to Blitz, Emmanuel, Ibra, Jenn, Pierre, Dikayl, Kwasi and all the brilliant creatives. Thank you to all at Disney for giving this Black woman the opportunity to tell this story. This experience has been an affirmation of a grander purpose. My only goal is that you watch it with your family and that it gives you pride. Love y’all, B

Une publication partagée par Beyoncé (@beyonce) le

Black is King, sublinham o conglomerado e a empresa Parkwood Entertainment, fundada por Beyoncé em 2008, é uma “recordação comemorativa da experiência negra” no mundo. Lançando um novo olhar sobre as lições d’O Rei Leão para “os jovens reis e as jovens rainhas de hoje que estão em busca das suas próprias coroas”, o projecto dá conta da “viagem transcendente” de um jovem rei, confrontando-se com um percurso marcado por “traição, amor e [a descoberta da sua] identidade”.

Os seus antepassados, continuam os representantes deste álbum visual, “guiam-no rumo ao seu destino”, e, graças aos “ensinamentos” do seu pai, o jovem rei consegue “conquistar as virtudes necessárias para reivindicar a sua casa e o seu trono”.

O filme está repleto de “lições intemporais …reveladas e reflectidas pelas vozes negras de hoje”, cada uma “dona do seu próprio poder”. Black is King corresponde a uma “afirmação de um grande propósito”, celebrando a cultura negra com toda a sua “resiliência”, a beleza da sua “tradição” e a sua “excelência”.

No dia 19 de Junho — data em que se celebra o Juneteenth – que assinala a libertação dos últimos escravos nos EUA —, Beyoncé lançou a música “BLACK PARADE”, escrita em parceria com o marido Jay-Z e, assim como Black is King, concentrada no empoderamento negro.

Beyoncé foi ainda galardoada neste domingo, 28 de Junho, com o Prémio Humanitário, nos BET Awards, tendo sido reconhecida pelo seu trabalho filantrópico e pelo seu recentemente lançado Black Business Fund, aponta a publicação norte-americana Pitchfork.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.