Com uma letra atual e incisiva, “Free”, de Aragão, já está disponível online. A música pretende incitar à reflexão, com um “som urbano, fresco e cheio de ritmo”.

A faixa foi disponibilizada já com vídeo, que carrega consigo uma mensagem que “pretende questionar o verdadeiro conceito de “liberdade”.

Em “Free”, Aragão coloca em causa os padrões que a sociedade cria e desenvolve, sendo que quem ousa contrariá-los acaba por ser alvo de ataques e julgamentos.

Continuando a primeira parte, o artista diz que não ostenta o que tem e que versifica a sua vida, deixando claro que justifica sua luta sem priorizar o dinheiro, que considera-se “raro e verdadeiro por sentir tudo o que digo”.

Aragão continua dizendo que não vai atirar culpas a ninguém e tampouco à vida se algum dia não conseguir chegar aos seus objetivos, dizendo que somente pede saúde e amor para sua vida.

No videoclipe, Aragão aparece com fitas adesivas coladas nos olhos e na boca e acorrentado por figurantes, que simbolizam as barreiras que a sociedade constrói e que emite como sendo a norma.

Segundo Aragão, “Ser free (livre, em português) é podermos pensar e agir pelo que somos e não em função do outro nem do medo de sermos julgados ou discriminados, quer pelos nossos comportamentos, escolhas ou características como a aparência e a raça”.

A música tem letra de Aragão e foi produzida por EnzyBeats. A capa e grafismo é de Lucas Machado e o videoclipe teve uma direção de SHOTZHUNTER, com o selo da Sony Music Portugal.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".