A primeira semana do top dos artigos mais clicados do mês de julho começa com um assunto que fez a Internet fervilhar, a resposta de Preto Show ao beef de C4 Pedro. Na segunda posição do ranking segue-se a apresentação do polémico álbum de C4 Pedro. A explicação de Teo No Beat de como produziu “Ninguém Acode”, de Preto Show, aparece em terceiro lugar, seguindo-se o desabafo de Vado no single “Justiça” e, por último, a produtora cabo-verdiana que uniu-se a produtoras internacionais para atuarem em conjunto no mercado televisivo.

1- Preto Show responde C4 Pedro com “Ninguém Acode”

“Ninguém Acode” é a música que Preto Show lançou para responder aos ataques feitos por C4 Pedro em “O Áudio”.

Menos de 24 horas depois de C4 ter lançado o seu novo projeto, Preto Show decidiu responder a algumas provocações feitas na faixa “O Áudio”. Nas redes sociais, a polémica estalou.

2- Já podemos ouvir os álbuns “Bipolar” de C4 Pedro

Finalmente a espera terminou e já podemos ouvir os novos álbuns, Bipolar, de C4 Pedro. Esta quarentena foi mais do que produtiva para o King Ckwa, que acaba de disponibilizar duas versões deste trabalho, Dragão e Lágrimas, no mesmo dia em que celebra 37 anos.

3- Teo no Beatz conta como produziu “Ninguém Acode”, de Preto Show

Teodoro Manuel, mais conhecido nas lides artísticas como “Teo no Beatz”, é o responsável pela produção da música que está a fervilhar na esfera social digital, “Ninguém Acode”, lançada por Preto Show.

4- Vado lança “Justiça”, um desabafo sobre uma luta contínua e um 2020 malfadado

As plataformas digitais acabam de receber um desabafo sincero de um mensageiro que luta pelo brilho da comunidade. Vado Más Ki Ás lançou o seu novo single, “Justiça”, que entre o português e o crioulo verbaliza aquilo que a maioria está cansada de apontar e que é agora o mote de uma luta finalmente global.

5- Cabo-Verdiana Kriolscope une-se a produtoras internacionais para dinamizar mercado televisivo

As produtoras independentes Kriolscope, Anatomy of Restlessness Films e Trayne Adjei Studios formaram um colectivo e pretendem lançar projetos conjuntos de cooperação e co-produção internacional de televisão, concretizados sob a marca Baobab Film Collective.