IP MAN é o nome da mixtape do rapper moçambicano Slick Kid, que se inspirou no filme homónimo do conhecido artista e professor de artes marciais chinês, caracterizado pelos seus movimentos simples, rápidos e curtos do Wing Chun, um estilo pertencente ao Kung Fu.

A mixtape retrata a caminhada de Slick Kid no movimento e o seu desejo de “virar mestre na arte de repar, com vários desafios e concorrentes”.

Considerando o material “superdivertido”, Slick disse que não se focou “nas formalidades, mas sim na diversão de se desafiar em vários estilos de instrumentais”.

Com a mixtape, Slick contou que pretende “trazer a coragem de seguir o propósito que está na alma de cada um”, acrescentando que os sentimentos de felicidade e diversão “são os princípios que devem estar presentes connosco em tudo o que fazemos”.

IP Man tem apenas uma participação, “um amigo próximo e colega de trabalho extremamente talentoso”, Mark Exodus.

Fora das vestes de artistas, Slick trabalha com uma comunidade de jovens, aconselhando e a guiá-los com princípios de sucesso e de triunfo pessoal.

Slick Kid é um artista que se assume como apaixonado pela técnica, ciência e outras “possibilidades infinitas de construções de frases feitas para contar uma história e transmitir uma mensagem” que o mundo musical exige.

Slick começou a dar os seus primeiros passos no mundo musical quando ainda residia na capital dos Estados Unidos, Washington D.C, mas quando voltou para Maputo teve a oportunidade de ouvir a Young Sixties, grupo de alguns nomes sonantes do rap moz, Hernani, Lay Lizzy e Ell Puto.

A carreira de Slick Kid despontou aquando do lançamento do seu primeiro EP Sem Piadas, que “recebeu alto feedback do povo Moçambicano e internacional e ajudou a dar o boost” à sua carreira.

Atendendo à atual situação social que o mundo atravessa, o artista da Sameblood diz que o mercado musical moçambicano, no ponto de vista de lançamentos, “não parou” e que obviamente as atividades de interação física deram um break, acreditando que os artistas tenham percebido a importância da consistência em tempos difíceis.

Pessoalmente, a fase de confinamento fez com que Slick dobrasse esforços a nível profissional e daí nasceu a ideia de criar a mixtape IP MAN, onde decidiu inserir todo o seu poder artístico “sem ser influenciado por opiniões externas ou coisas do dia dia que nos ocupam”.

“Consegui tirar proveito deste momento dificil e torná-lo em algo positivo, espero que consiga trazer alguma alegria ao público para manterem-se de espirito alto através da boa música”, disse Slick.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".