Matamba Joaquim, ator, autor e contador de histórias, está na frente da produção de uma nova série televisiva. Em fase de prospeção de possíveis canais ou plataformas interessadas em transmitir o programa, “O Bar do Ti-Chico” já tem argumento pronto, episódio piloto gravado e um teaser que já foi lançado nas redes sociais.

“O Bar do Ti-Chico” é uma série de comédia criada por Matamba Joaquim e desenvolvida por Nuno Folhadela e Miguel Paiva. O episódio piloto foi realizado por Ricardo de Almeida e produzido pela Individeos.

A história da série gira em torno de Ti-Chico, um ex-militar que decide abrir um pequeno bar num bairro de Luanda, cuja sobrevivência conta sobretudo com a ajuda de um sobrinho e uma moça de quem Ti-Chico gosta muito. “Os três vão tentar levar o negócio para a frente mas a tarefa não se adivinha fácil por causa da clientela que frequenta o bar. Tratam-se de personagens carismáticos que darão azo às mais hilariantes situações, ao mesmo tempo que a sobrevivência do bar estará em jogo”, indica um comunicado enviado à redação da BANTUMEN.

A personagem principal, Ti-Chico, é interpretada por Daniel Martinho e os papéis secundários serão representados por Gio Lourenço e Ciomara Morais. O casting conta ainda com o nome de atores de renome, entre outros artistas, como Ângelo Torres, Félix Fontoura, Miguel Sermão e o próprio Matamba Joaquim.

De recordar que, Matamba Joaquim integra a companhia de Teatro Griot, juntamente com Daniel Martinho, Gio Lourenço e Zia Soares.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.