Há oito meses que os Mobbers assinaram contrato com uma gigante da indústria da música internacional, a Sony Music, através da sua delegação portuguesa. Recentemente, Cali John, Xuxu Bower e LipeSky estiveram em Portugal e revelaram a Eddie Pipocas, em entrevista, o balanço destes últimos meses e as consequências do confinamento.

Apesar de o vínculo com a Sony estar ainda numa fase “embrionária”, como indicou Cali, o grupo sabe que para conquistar o mercado português alguma coisa têm de mudar na sua música. “Eles [Sony Music] podem não exigir uma mudança radical na nossa escrita e na nossa música, mas nós temos a noção que para entrarmos nesse mercado temos de trabalhar mais ou menos de acordo com o que people daqui faz”.

Essa mudança começa a ser percebida em “Lockdown”, o último EP dos Mobbers, onde a composição foi muito mais trabalhada, tem mais consistência, assim como a qualidade do projeto. Nos próximos projetos, a linguagem mais cuidada e uma maior maturidade vão ser os pontos fortes, prometem.

Apesar de o método estar a ser aprimorado, “nós continuamos a fazer mesma cena, a diferença é que agora temos uma equipa forte connosco”, afirmou Cali John.

O confinamento foi, naturalmente, uma fase atípica quer a nível pessoal como profissional. Com o setor da cultura congelado, o ritmo de produção foi obrigado a abrandar igualmente. “A nossa visão nesse confinamento mudou muito”, disse Lipe.

Há 15 anos que não há um grupo de artistas angolanos a fazerem vibrar o público português. Os últimos a conseguirem fazê-lo foram os Kalibrados. “Acabou-se, agora são os Mobbers”, afirmou Cali. O grupo está focado nos seus objetivos e acredita que, em breve, vai poder colher o fruto do seu trabalho árduo.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".