O drill é coisa de homens? Não. Seja à frente das colunas ou atrás dos microfones, há mulheres que apreciam e estão a dar “sangue” ao estilo. COOKIE JANE é uma delas. Sim, COOKIE JANE é o seu nome de registo.

Tem 20 anos, nasceu na Guiné-Bissau e cresceu em Lisboa, mais propriamente na terra onde toda a gente sabe “Qual é o Mambo”, a LS aka Linha de Sintra. Sobre a sua personalidade, a artista, que não aceita que a rotulem de driller, refere que é uma espécie de agri-doce, tal como a composição do seu nome, onde COOKIE é “doce” e JANE é “savage“, tal como a do Tarzan. À primeira vista, parece ser uma querida, mas não puxem pelo seu “lado negativo”.

Começou a cantar desde cedo e sempre sonhou em pisar palcos. Aquilo que era um passatempo e um refúgio para as fases mais turbulentas da sua vida passou a ser o motor da sua existência.

JANE é versátil e tem uma resiliência acima da média. A prova é precisar de sair constantemente da sua zona de conforto, para explorar novos horizontes e poder crescer enquanto pessoa e artista. É dessa forma que “a gente evolui”, explica.

A carreira começou a ganhar contornos mais sérios quando começou a publicar freestyles no seu perfil de Instagram. O apoio dos seus seguidores foi imediato e acabaram por a motivar a continuar a trabalhar.

Numa entrevista vídeo à BANTUMEN, falou sobre as suas perspetivas face às opiniões que as pessoas tinham e têm sobre si, passando pela sua chegada ao drill, o desenvolvimento do seu novo seguimento que intitulou happy drill, processo de divulgação e outros assuntos.

JANE diz que o facto de ter começado com o happy drill não significa que “não seja uma real G” ou que “não saiba escrever barras pesadas”, muito pelo contrário. Basta ouvir todos os trabalhos que já lançou.

Apesar dos 20 anos, a maturidade da sua estratégia de marketing surpreende, como por exemplo o fato de as suas músicas apresentarem nomes pouco comuns, por forma a torná-las únicas quando pesquisadas nas plataformas digitais.

Na sua discografia oficial, COOKIE tem “Enemies Aplaudem” e “Trudumtumtum”, dois singles que somam um total de mais de 85 mil visualizações no YouTube.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.