Angola registou 37 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, elevando o total para 1.852, e mais três óbitos, tornando-se no país africano de língua oficial portuguesa (PALOP) com mais mortes devido à doença (86).

Os dados foram avançados pelo secretário de Estado da Saúde Pública, Franco Mufinda, durante o balanço epidemiológico diário, em Luanda.

Entre os novos casos, quatro foram diagnosticados em Cabinda, todos de transmissão local, seis no Soyo (Zaire), também de transmissão local, e os restantes são de Luanda. Os novos casos reportam-se a pessoas com idades entre os 22 e os 69 anos, sendo 29 do sexo masculino e oito do feminino.

Os óbitos foram de cidadãos angolanos, dois do sexo masculino, com 62 e 68 anos, e um do feminino, de 74 anos.

Outros 584 doentes já recuperaram e 1.182 estão em tratamento, dos quais três são considerados críticos e 26 graves, adiantou Franco Mufinda.

Os laboratórios angolanos processaram cerca de 171 amostras, num cumulativo de cerca de 49 mil colheitas.

O secretário de Estado destacou ainda que a partir de sábado passa a ser permitida quarentena e isolamento domiciliar, para quem tenha condições mínimas criadas.

O governante lembrou “o quão importante é realizar o teste de biologia molecular pré-embarque” dos passageiros que regressam a Angola, mas, sobretudo, a observação de algumas medidas e “cautela quanto à exposição”, pois “tudo pode acontecer”.

 A pandemia de covid-19 já provocou mais de 754 mil mortos e infetou quase 21 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Entre os países africanos que têm o português como língua oficial, Angola lidera em número de mortes (86), apesar de ser apenas o segundo país com menos casos (1.852).

Seguem-se Guiné Equatorial (4.821 infetados e 83 óbitos), Cabo Verde (3.136 casos e 33 mortos), Moçambique (2.708 casos e 19 mortos), Guiné-Bissau (2.088 casos e 29 mortos) e São Tomé e Príncipe (885 casos e 15 mortos).

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.