Jornalista há mais de 16 anos, Paula Cardoso começou a esboçar em setembro do ano passado o Afrolink. A plataforma não é um meio de comunicação no sentido literal da palavra, mas dá-nos a conhecer, através de alguns textos informativos, o outro lado da realidade dos afro-descendentes em Portugal.

O principal objetivo do projeto é quebrar “a narrativa de que todos os negros trabalham na construção civil, na restauração e nas limpezas”. À semelhança do que está a acontecer em alguns países, sobretudo nos Estados Unidos, Paula Cardoso pretende criar “uma economia negra no mercado português”, mas faz questão de ressalvar que a sua iniciativa em nada tem a ver com o manifesto Black Lives Matter. “É pura coincidência”, afirma, reforçando que o seu trabalho já vem de trás.

Numa primeira fase, a actividade do Afrolink baseia-se sobretudo na promoção de projetos e iniciativas empresariais detidas por africanos e/ou afrodescendentes, no sentido de captar potenciais consumidores e parceiros dentro e fora da comunidade.

Engenheiros, arquitetos, juristas e psicólogos, são alguns dos perfis que podemos encontrar no Afrolink e que nos dão um olhar sobre uma realidade, muitas vezes, invisível em Portugal. É, acima de tudo, quebrar preconceitos e desmistificar uma minoria que, muitas vezes, só é reconhecida pela negativa.

A criadora do projeto acredita que a criação de um espaço de partilha de histórias pode contribuir para uma mudança no sentido positivo, dentro e fora da comunidade. “Imaginei que fossemos muitos, mas confesso que nem nos meus sonhos pensei que fossemos tantos”, afirmou em declarações à imprensa, acrescentando que “este olhar para quem somos, e para o que fazemos, permite-nos apoiar os projetos uns dos outros, trocar contactos, estabelecer parcerias”.

“Primeiro temos de nos conhecer, para depois nos darmos a conhecer”, é o mote da plataforma que reúne perfis de africanos e afrodescendentes, divulga eventos afrocentrados e nos dá a conhecer acontecimentos relacionados com a História de África e a sua diáspora. “A produção de conteúdos também inclui livros e outros veículos de conhecimento, recomendados por africanos”, reitera a jornalista assumindo o compromisso de criar novas referências e resgatar a herança negra.

Revê a entrevista que a Jornalista concedeu à BANTUMEN, através do link abaixo.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.

Inconformada por natureza, acredito que o sucesso é um processo de melhoria contínua. Apaixonada pelas liberdades e oportunidades que a vida tem para oferecer. Teimosa o suficiente para não desistir, inteligente o suficiente para saber quando desistir.