“Vais me Perder” de Anselmo Ralph já tem vídeo, com Érica Chissapa e Fredy Costa

Depois de “Quase te Perdi”, Anselmo Ralph tem novo vídeo. O tratamento visual de “Vais me Perder” já está disponível no YouTube, com Érica Chissapa e Fredy Costa como personagens principais.

Extraída do último álbum Momento, a música fala sobre uma relação em risco. Depois de tantas vezes traída, a mulher acaba por deixar morrer o amor, ao ponto de não querer mais saber das traições que o companheiro comete, até chegar ao dia em que coloca um ponto final no relacionamento.

“Quando chega o momento, não é sem aviso. Não é do nada que o coração vaza e se perde o sorriso”, assim que apertamos o play, esta é a primeira frase que ouvimos. Nas imagens vemos Érica que se apercebe de todos os sinais, chega a perseguir o companheiro para confirmar as suas ações, e que acaba por se conformar com a falta de carácter do homem.

A música tem a letra de Anselmo Ralph, foi produzida por Lerigo, Elton Ribeiro e EauxG. ZackyMan também assina o seu nome na produção vocal e a mistura e masterização ficou por conta de Mr. Villas.

O vídeo foi dirigido pela One Movie, realizado e dirigido artisticamente por Patrícia Santos, com Rui Santos na produção executiva.

Esta não é a primeira vez que a atriz Érica Chissapa e o ator Fredy Costa representam um casal para as câmeras. No início dos anos 2000, formaram o par romântico Vitó e Kátia, para a série angolana “Sede de Viver”.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".