A realizadora Pamela Adie e a diretora Uyaiedu Ikpe-Etim, duas cineastas nigerianas, podem ser presas por ignorarem o severo aviso das autoridades locais e tentarem de continuar a exibir filme Ife, que relata a história sobre um relacionamento lésbico.

O aviso partiu das autoridades reguladoras do Conselho Nigeriano de Censores de Filmes e Vídeos (NFVCB). Segundo as mesmas, Ife (que significa amor na língua ioruba) não deve ser divulgado perante o público nigeriano pois viola as leis rígidas do país sobre a homossexualidade.

Para contornar esse problema, os cineastas estão a planear um lançamento online surpresa para “apanhar” os reguladores desprevenidos. Contudo, o NFVCB, segundo escreve a imprensa, está a monitorar diligentemente todas as plataformas digitais para evitar que o filme seja lançado.

Segundo o chefe do NFVCB, Adebayo Thomas, Adie e Ikpe-Etim podem ser presas por promover a homossexualidade num país onde as relações entre pessoas do mesmo sexo são proibidas e podem ser condenados a 14 anos de prisão.

As duas cineastas planeiam ainda organizar uma exibição privada na capital comercial, Lagos, no final do mês, para a qual acreditam não precisarem de autorização.

Ife também terá uma estreia internacional no Canadá em outubro. Pamela Adie disse à Comunicação Social que o objetivo do filme é mostrar um retrato preciso das mulheres lésbicas e bissexuais nos filmes nigerianos. Se uma mulher lésbica aparece num filme padrão de Nollywood, ela é frequentemente retratada como possuída, influenciada por maus amigos ou forçada à homossexualidade e ainda precisa ser “salva”, disse à BBC.
“Raramente vemos histórias sobre pessoas LGBT, especialmente mulheres gays que falam sobre a realidade das nossas vidas. O Ife foi criado para preencher a lacuna e levar a conversa adiante na Nigéria”, acrescentou.

Produzido em parceria com Equality hub, uma ONG nigeriana especializada na luta contra as injustiças sociais contra as minorias sexuais, a história do filme gira em torno de duas mulheres, Ife e Adaora, e a incerteza em torno do seu relacionamento.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.