Sem pré-aviso, o “mais velho” Lancelot acaba de lançar nas redes sociais o seu mais novo rebento. “A Mesma Tecla” é um manifesto acutilante, com uma mensagem sem meias palavras.

De acordo com o rapper, o single foi escrito em maio e apesar de as pessoas à sua volta lhe dizerem que era mais do mesmo e que toda a gente já tinha falado no assunto, eis que “A Mesma Tecla” vê a luz do dia.

“Você sai à noite em qualquer cidade e vem andado na rua, se vêm dois negros na tua direção o teu coração palpita de um jeito diferente de que se forem dois brancos caminhando na tua direção. Você sabe por que é que o seu coração palpita de um outro modo? Porque você foi formado numa estrutura educacional, na família, na Igreja, na escola, pelos meios de comunicação, que colocaram os negros como inferiores ou violentos.” Este é um testemunho que dá início à música e que nos deixa de sobreaviso para o que nos reservou o “pugilista verbal” durante aqueles 4 minutos 39 segundos.

Lancelot despeja um desabafo profundo e sincero sobre o assunto que este ano tem derramado muita tinta na comunicação e redes sociais e levantado protestos nos quatro cantos do globo, o racismo sistémico e sistemático.

A música é o segundo lançamento do próximo álbum de Lancelot, Último Underground, que ainda não tem data de lançamento agendada mas que deverá chegar às plataformas de streaming ainda este ano.

O álbum é composto por 14 faixas e conta com as participações de Kid MC e Fredi Mineiro. A produção ficou a cargo de P The Producer, Neurotik Beats, Enar Beats e Lade Music.

Este novo projeto surge na sequência da nova equipa do MC. “Consegui montar a equipa Kwalla como editora, produtora e marca, fora a cena da #2675 que era para motivar a nova geração aqui de Odivelas”, explicou-nos Lancelot.

O Último Underground é um álbum à moda antiga, no título, na mensagem, nos instrumentais. “Em alguns temas arrisquei para mostrar que também sei fazer outras coisas dentro da mesma identidade que me define como MC”, disse o rapper.

O que vamos ver nesse trabalho é “um Lancelot mais incisivo e com outra classe, que antes se calhar abordava o mesmo tema de uma forma muito crua. É um álbum que eu sei que as pessoas não estão à espera, tipo Pugilista Verbal 2.0.”

Lancelot indica que todas as faixas já estão gravadas e que atualmente estão a agir dentro do plano de promoção do álbum.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.