A Organização das Nações Unidas defende num relatório publicado esta quarta-feira, em Nova Iorque, intitulado “Resposta abrangente das Nações Unidas à COVID-19: Salvando vidas, protegendo sociedades e recuperando melhor”, o congelamento da dívida em todo continente africano.

Segundo a ONU, citado pela Lusa, África precisa de cerca de 169 mil milhões de euros para ultrapassar as dificuldades impostas pela COVID-19.

O relatório sublinha “a importância do congelamento geral da dívida para os países africanos, bem como um pacote de resposta global equivalente a pelo menos 10% do Produto Interno Bruto”.

“Para África, isso significa mais de 200 mil milhões de dólares, para uma resposta eficaz e bases para a recuperação”, sublinha a ONU.

Segundo a organização, “os riscos para o continente africano são consideráveis, com testes baixos, saneamento precário e capacidades médicas limitadas e dificuldades na aplicação de medidas de distanciamento físico e sanitário”.

A ONU, que reúne 193 Estados-membros, prevê que a população do continente africano terá de enfrentar, como consequências indiretas da pandemia, insegurança alimentar, perda de rendimentos e meios de subsistência, uma crise da dívida e riscos políticos e de segurança.

O relatório destaca ainda que, em Julho, os países africanos já tinham implementado um total de 245 medidas sociais e económicas.

O relatório publicado destaca que o mundo ainda está na “fase aguda” da pandemia de COVID-19, uma “crise humana” que merece o “maior esforço de saúde pública da história”.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.