A Transportadora Aérea Angolana (TAAG) anulou o concurso público, anunciado em setembro de 2019 para o preenchimento de 70 vagas de assistentes de bordo.

Em anúncio publicado na edição de 3 deste mês, no Jornal de Angola, a companhia justifica a medida com o impacto da pandemia da Covid-19, que “provocou uma crise sem precedentes”.

Segundo a TAAG, isto repercutiu na actividade da empresa pública, sendo necessário implementar um plano de reorganização interna. Neste contexto, por motivos de força maior, a TAAG diz que se viu forçada a anular o referido concurso para recrutamento.

Em meio de um “processo atípico” de reembolso massivo de passageiros impossibilitados de viajar, desde o mês março, devido às restrições impostas pela Covid-19, a TAAG retomou, no dia  14 de Setembro, os voos inter-provinciais de facilitação a portadores de bilhetes.

De acordo com previsões do presidente da Comissão Executiva da TAAG, Rui Carreira, estimam-se prejuízos de USD 270 milhões, até ao final do exercício económico 2020.

Após o surgimento da Covid-19, em Angola apenas foram autorizados voos de carga, nacionais e internacionais, de passageiros de carácter humanitário, e de carácter emergencial.

Tal facto obrigou a revisão do orçamento previsto para 2020, situação que, para Rui Carreira, representa grande desafio para uma empresa que vem de um passado de resultados financeiros “reiteradamente negativos”.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.