Junior Flemmings, jogador de futebol jamaicano de 24 anos, foi suspenso em seis jogos depois de proferir insultos homofóbicos em campo. Tudo aconteceu no dia 30 de setembro, no jogo entre os Phoenix Rising e os San Diego Loyal.

Flemmings, que veste a camisola dos Phoenix Rising desentendeu-se com o jogador adversário Collin Martin e, ao que tudo indica, tê-lo-á insultado de forma homofóbica e os colegas de equipa de Collin decidiram abandonar o campo.

Uma semana após o acontecimento, a liga norte-americana, United Soccer League Championship, tomou a decisão de suspender o jogador depois de uma investigação que incluiu “entrevistas com 11 indivíduos, incluindo jogadores, técnicos e árbitros”.

Junior Flemmings proferiu contra Collin “linguagem abusiva na forma de insulto homofóbico”, durante o jogo em que os Phoenix Rising perdiam por 3-1 contra os San Diego Loyal SC.

Segundo a equipa de Flemmings, o jogador irá permanecer em licença administrativa durante o restante tempo do contrato com o clube, que termina a 30 de novembro.

Após o incidente, Flemmings, de 24 anos, negou no Twitter ter insultado Collin Martin, médio do San Diego que tornou público em 2018 que é gay.

“O árbitro admitiu que não ouviu calúnias homofóbicas e ficou totalmente confuso com a situação”, argumentou. “Eu sou solidário com o movimento LGBTQ +.” Passado algum tempo depois do post ser publicado, a sua conta foi desativada.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Sabias que com a tua contribuição podes ajudar a BANTUMEN a crescer? O nosso objetivo é criar uma narrativa de empoderamento da comunidade negra lusófona e tu podes fazer parte deste processo. Inscreve-te no Patreon e faz a tua parte! Lembra-te da filosofia Ubuntu: “eu sou porque nós somos”.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".