O britânico Lewis Hamilton (Mercedes) venceu este domingo o Grande Prémio de Portugal de Fórmula 1 e tornou-se no piloto mais vitorioso da história da modalidade, com 92 triunfos.

Hamilton, que partiu da ‘pole position’, deixou o companheiro de equipa, o finlandês Valtteri Bottas (Mercedes), a 25,592 segundos e o holandês Max Verstappen (Red Bull) a 34,508.

Com estes resultados, o piloto britânico ficou mais perto do sétimo título mundial, tendo alargado a liderança do campeonato.

Além de ser um campeão fora de série na pista, Hamilton tem aproveitado a sua posição privilegiada para consciencializar para a discriminação racial, repressão policial e desigualdade social. Além de ter criado um movimento que cria oportunidades de inclusão no desporto motorizado, Hamilton tem sido um feroz apoiante do Black Lives Matter, depois do assassinato de George Floyd por agentes da polícia, nos EUA.

A ingressão no mundo do desporto começou com os carros telecomandados, tendo-se tornado vice-campeão da Associação Britânica de Radiomodelismo. Pelo Natal, ganhou um kart de presente e aí começou a sua trajetória. O seu talento era inquestionável e o pai fez de tudo para que o filho não desistisse. No meio de tantas dificuldades, Anthony chegou a ter três trabalhos para poder ter condições para ajudar o filho na sua paixão. Aos fins de semana, ia como o pequeno Lewis às corridas pelos circuitos no Reino Unido. Eram tempos difíceis.

“Éramos a família negra mal-amanhada: tínhamos o equipamento de porcaria, o kart de porcaria e a caravana de porcaria”, recordou Hamilton, numa entrevista à revista ‘Time’.

Foi também nessa altura que Hamilton teve de lidar com o racismo, ainda em idade precoce. Ter um negro a vencer provas de automobilismo era algo nunca visto. “Não és suficientemente bom, devias desistir”, era uma de outras ‘bocas’ que tinha de ouvir dos pais dos outros pilotos. Hoje, Hamilton está no topo da Fórmula 1 ao conseguir 92 vitórias na prova máxima do automobilismo, ultrapassando o rei, que todos achavam inatingível, Michael Schumacher.

Agora, só resta ao piloto igualar outro recorde de Michael Schumacher: piloto com mais títulos na Fórmula 1. Em 2019, o homem da Mercedes tinha ultrapassado o lendário argentino Juan Manuel Fangio (campeão em 1951, 1954, 1955, 1956 e 1957). O alemão Michael Schumacher foi campeão em 1994, 1995, 2000, 2001, 2002, 2003 e 2004. Se vencer esta época, Hamilton chegará aos sete títulos.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.