A Federação de Futebol da Guiné-Bissau está prestes a assinar um contrato de 4 anos com a conceituada marca desportiva americana Nike. A notícia é avançada por uma fonte oficial do órgão presidido por Carlos Teixeira na sequência da deslocação da delegação de dirigentes desportivos a Espanha, para uma alegada maratona negocial com a marca.

O contrato com a marca que atualmente patrocina Ansu Fati, jogador natural da Guiné-Bissau, consistirá na produção de equipamentos originais com emblemas nacionais para a principal seleção de futebol guineense. Entre outras coisas, o acordo inclui a autorização da venda dos produtos desportivos nas páginas oficiais da federação de futebol da Guiné-Bissau, estando também em eminência a possibilidade de patrocínio para a criação de uma loja física, em Bissau, para a venda da nova coleção de equipamentos.

‘PANU DI PINTI’: Quando a tradição e o desporto se unem

Apesar de ainda não ser conhecido o novo equipamento oficial da selecção guineense, sabe-se já que a Nike tem intenção de se manter fiel àquela que é uma das muitas riquezas culturais do país: o “panu di pinti”. De acordo com fontes oficiais, o esboço do projecto, que foi recentemente apresentado em Espanha numa reunião entre ambas as partes, contempla na parte da frente as cores nacionais e, ao mesmo tempo, exalta o tecido tradicional usado por diferentes etnias nas manifestações culturais do país.

A federação de futebol da Guiné-Bissau pretende que o novo equipamento dos Djurtus seja apresentado no jogo da segunda mão da eliminatória para o CAN2021, frente à seleção senegalesa. O encontro está previsto para novembro, no Estádio Nacional 24 de Setembro, em Bissau.

Desde a sua tomada de posse como novo Presidente da Federação de Futebol Guineense que ‘Caíto’, como é chamado pelos mais próximos, tem mostrado a sua vontade em relançar e mudar o rumo do futebol guineense. Fazem parte da sua estratégia vários antigos futebolistas bem como algumas entidades ligadas ao futebol. O actual Presidente chegou mesmo a nomear alguns dos seus adversários nas últimas eleições para assumirem funções na nova direcção.

Para Carlos Teixeira o sentimento de união deve prevalecer sob tudo o resto. “Chegou a hora de unirmos, enterrar manchado de guerra para desenvolver o nosso país. Todos somos poucos para os desafios que nos esperam, por isso, conto com todos para esta nova fase. Não há mais alas na família desportiva nacional”, concluiu.

Inconformada por natureza, acredito que o sucesso é um processo de melhoria contínua. Apaixonada pelas liberdades e oportunidades que a vida tem para oferecer. Teimosa o suficiente para não desistir, inteligente o suficiente para saber quando desistir.