Já todos podemos ouvir A Bênção e a Maldição, o primeiro álbum colaborativo do projeto Esperança, que junta o rapper Prodígio ao mestre do semba Paulo Flores.

O álbum conta com os singles “Nzambi” e “Fome”, que já foram lançados nos últimos meses.

Num vídeo publicado no seu Instagram, Prodígio falou sobre o processo de criação da obra. O artistas explicou que o álbum “foi gravado em duas sessões” apenas. A dupla decidiu que a demo do projeto seria a versão final do mesmo porque o que mais querem transmitir ao público é a autenticidade, a naturalidade e os erros próprios desse processo de materialização de uma música construída na hora, com os sentimentos à flor da pele.

“Tentámos depois gravar as músicas e não estava nem perto daquilo que era o sentimento que tinha, então acabámos por assumir a demo. Por isso todos os erros são erros puros(…). O projeto é o espelho daquilo que nós somos”, explicou Prodígio.

O membro da Força Suprema aproveitou também o momento para apresentar o álbum em formato físico, que por agora estará à venda apenas em Portugal nas lojas Fnac. Para já, Angola fica para uma segunda fase, devido às limitações impostas pela pandemia.

O álbum carrega um total de oito faixas musicais, foi gravado de forma improvisada e conta com a participação de alguns instrumentistas que já trabalharam com Prodígio e Flores, como Manecas Costa, Kiari Flores, Boper e Mayo.

Durante o ano, Prodígio e Paulo Flores lançaram “Nzambi”, que é uma oração do poeta do semba a Nzambi (Deus), que clama por ajuda ao seu povo. Mais recentemente, a dupla lançou “Fome”, que revela um “grito de dor e revolta numa abordagem nua e crua sobre a ultrajante miséria, gente que vive na cara da fome, aonde a própria fome sente vergonha de o ser”. Ambos os vídeos foram gravadas pela Envolve Prime, com a produção de Phil e Renata Torres.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".