Há uma nova agência de Relações Públicas, com base em São Paulo, Brasil, que tem como foco a assessoria de artistas, eventos e criadores de conteúdo negros. A partir de um resgate ancestral, a Griot Assessoria propõem perpetuar por meio da oralidade, as histórias do povo preto por meio dos meios de comunicação convencionais e alternativos, e na Internet.

A especialidade da agência é trabalhar o posicionamento e a imagem com foco no empoderamento preto, e na Comunicação Integrada de acordo com os objetivos específicos de cada cliente. Os serviços que possibilitam essas estratégias são a assessoria de imprensa, gestão de redes sociais, curadoria e consultoria estratégica. 

O nome Griot é uma menção aos contadores de histórias e perpetuadores da cultura africana, responsáveis por transmitir de forma oral todas as tradições, mitos, ritos e canções ao longo das gerações. Países como Mauritânia, Guiné, Moçambique, Congo e Mali, possuem essa tradição. Estes griots na contemporaneidade são comunicadores, escritores, poetas, artistas, terapeutas holísticos, filósofos, entre outros, que mantém vivos o legado da filosofia e cultura africanas no continente e pela diáspora.

A Griot é fundada por Cristhiane Faria, comunicadora social que iniciou a sua trajetória no meio cultural e de influência digital em 2018, como Relações Públicas do selo musical MGoma, dirigido pelo MC e produtor Rincon Sapiência. Indy Naíse, que já colaborou com o próprio Rincon, além de Emicida, Fióti e IZA são alguns dos nomes que integram a lista de clientes da Griot, que também trabalha com a dupla Dois Africanos, composta por cantores do Benin e Togo, e que tiveram alcance a nível brasileiro com a participação no reality show musical ‘SuperStar’, da Rede Globo em 2015. 

Além de artistas, a agência também atende as plataformas artísticas e culturais Academia Dancehall e Academia do Funk; a plataforma de conteúdo Influência Negra e a plataforma de saúde holística africana Kiumbe.ixi. Entre outubro e dezembro de 2020, a agência fez as gestão de redes sociais do Festival Periferia Preta e a assessoria de imprensa do Encontro das Pretas. Para o mês de novembro, realiza o lançamento de singles dos artistas em início de carreira, Gabriellê, cantora que lançou a faixa “Oxitocina” – no Dia Mundial do Hip Hop (12), e do multiartista Leonardo Alan, com a faixa “Danado” – no Dia da Consciência Negra (20). 

A fundadora conta que a Griot é fruto da união da consciência racial com a definição de propósito para o trabalho. “Antigamente, trabalhava apenas em troca de um salário e benefícios, o que é a realidade de grande parcela da população negra. Porém, a maioria não tem o mesmo acesso que eu tive para ocupar e se apropriar de determinados espaços. Por isso, com o amadurecimento pessoal e mais consciência social, e sobretudo racial e de gênero, entendi que poderia usar destes privilégios para me alimentar de trabalhos com propósito. E para além disso, retornar à comunidade negra estes conhecimentos e experiências adquiridas na minha trajetória enquanto profissional de Comunicação que pôde vivenciar diferentes segmentos e formatos de empresas no mercado de trabalho”, declarou Cristhiane. 

A recém-afroempreendedora também questionou a falta de Assessorias de Comunicação lideradas por mulheres negras no mercado, e principalmente nas áreas de cultura e empreendedorismo. “Comecei a fazer um levantamento de indicações e percebi que entre artistas, produtores, ativistas, empreendedoras e criadores de conteúdo, o conhecimento de profissionais de Assessoria de Comunicação negras era escasso. E com isso, muitas personalidades negras que possuem discurso ativista e antirracista, trabalham com equipes de Comunicação não-negras”, pontua a fundadora da agência de RP. 

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Carrego a cultura kimbundu nas veias. A minha angolanidade está presente a cada palavra proferida. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O meu mantra é "o conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, portanto, não seja recluso da ignorância".