Jeiss: “No mínimo eu sou o Big Nelo da nova escola”

Jeissy Varela, ou simplesmente Jeiss, é um jovem artista angolano, residente em Portugal, que está a cimentar a sua inserção na indústria da música e que tivemos a oportunidade de entrevistar.

O seu interesse pela música começou na altura em que o kuduro ainda “batia” em Angola. Apesar da maioria das crianças da sua idade interessarem-se mais pela dança, Jeissy decidiu virar o rumo do seu barco para o mundo do canto. Isto há dez anos.

“Nunca tive jeito nenhum para a dança. Tive de arranjar um hobby que me safasse”, explicou Jeissy.

Mais tarde surge o hip-hop por influência dos seus amigos. Foi quando Jeissy começou a ouvir Cage One e que surgiu dentro de si uma maior motivação para imiscuir-se no movimento.

Jeissy não gosta de rótulos. Para impor respeito, o artista faz questão de continuar a mostrar a sua arte para deixar claro que está dentro do game e que só quer fazer o seu hustle. Mas que não se pense que a humildade o cega, muito pelo contrário. Jeissy tem os pés bem assentes no chão e acredita que tem o que é necessário para perseverar na música, chegando a comparar-se com uma “lenda” viva angolana, Big Nelo. “Eu motivo as pessoas a cantar como eu gostaria que elas cantassem. No mínimo, eu sou um Big Nelo da nova escola”, disse-nos.

O rapper tem mais de 20 músicas já lançadas no mercado e, ainda este ano, Jeiss pretende lançar um EP com cinco músicas. O projeto reflete tudo o que lhe aconteceu de janeiro até agora.

Para saberes melhor do que se trata, assiste à entrevista onde Jeissy falou também sobre as oportunidades dentro do mercado, Cage One, Big Nelo e profissionalismo em Portugal. 

E se não és inscrito no canal, fá-lo e deixa o teu like.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

nv-author-image

Bruno Dinis

Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.