6 novas artistas internacionais femininas que vão estar na tua playlist este ano

Fazem já sucesso nos seus países de origem e começam a ser notadas internacionalmente, principalmente pela sua mistura de sonoridades. Do pop ao rap, passando pelo R&B e o electro, estas são algumas das artistas negras em ascensão de que seguramente irás ouvir falar em 2021. 

CELESTE

Com um Brit Award na categoria de Rising Star e um BBC Music Award para Introducing Artist of the Year, Celeste, a cantora e compositora Norte-Americana nascida no Reino Unido, vai lançar em fevereiro o seu primeiro álbum de estúdio intitulado Not Your Muse, e a critica mal pode esperar. 

Celeste iniciou a sua carreira em colaborações com artistas de música eletrónica, como o sueco Avicii, o inglês Tieks ou o grupo Londrino Real Lies, ao mesmo tempo que publicava as suas próprias músicas na plataforma de streaming SoundCloud. Em 2017, a artista lançou o primeiro EP intitulado The Milk & the Honey sob a alçada da produtora da cantora britânica Lily Allen, seguido dos singles Strange, Stop This Flame, and A Little Love, que acabaram por dar-lhe a exposição e atenção que precisava por parte da indústria musical. 

Muitas vezes comparada com Amy Winehouse, a música de Celeste é uma mistura de Soul, Jazz e Alternativa. O seu último single, “Love is Back”, lançado na última noite do ano passado, durante o programa “Jools’ Annual Hootenanny”, é um retro-soul com uma mensagem otimista sobre amor e com uma sonoridade que nos remete aos anos ’70.

LOUS AND THE YAKUZA

Nascida no Congo e atualmente a residir na Bélgica, Marie-Pierra Kakoma, mais conhecida por Lous and The Yakuza, tem sido apontada como umas das principais revelações internacionais para 2021, principalmente depois do seu single “Dilemme” alcançar dez milhões de reproduções no Spotify e 3,8 milhões de visualizações no YouTube. 

Numa mistura entre trap, hip hop e electro, o seu mais recente álbum, Gore, é totalmente cantado em francês e foi produzido pelo Espanhol El Guincho, o mesmo nome que assinou o álbum El Mal Querer, da cantora catalã Rosalía. 

Segundo Lous, o álbum é como aquele tipo de filme de terror que é tão violento e sangrento que às vezes se torna absurdo e engraçado”, por este ser totalmente autobiográfico e reflectir uma visão da sua propria vida desde a sua infância. 

CHIKA

Com apenas 23 anos, a artista Nigero-Americana ganhou destaque internacional depois de, no final do ano passado, ser nomeada para a categoria Best New Artist dos Grammy Awards 2021. 

Rapper, modelo e atriz, Chika ficou conhecida pelos seus posts e vídeos nas redes sociais para promover e defender causas como a luta contra o racismo, homossexualidade, imagem corporal positiva e auto aceitação, através da música. 

O seu primeiro EP, Industry Games, saiu no final do ano passado e tem sido descrito como um trabalho confiante, emotivo e criativo, que irá abalar os padrões da indústria do hip-hop. Além da sua nomeação aos Grammy, Chika tem sido elogiada por artistas como Cardi B, Erykah Badu, Diddy, Jamie Foxx ou Snoop Dogg, e foi incluída na lista 2020 Freshman Class da revista Norte-Americana de hip-hop XXL, que enumera os artistas com maior destaque da indústria. 

BREE RUNAWAY 

Amiga da lendária Missy Elliot, a cantora, rapper e compositora Inglesa Bree Runway poderá vir a ser um dos próximos grandes nomes da música este ano. Responsável por todo o seu processo criativo e completamente contra rótulos para definir o seu estilo musical, Bree encontra inspiração numa infinidade de sons, incluindo pop, rap, dance, R&B e até rock. Descrita como uma artista Pick N Mix pela revista Times, a artista lançou recentemente o seu primeiro EP intitulado 2000AND4EVA, onde mostra os múltiplos lados da sua música: o primeiro single “Apeshit” mistura hip-hop e rock, Damn Daniel é uma música pop inspirada nos anos 80 e “ATM” (com Missy Elliot) é um típico hip-hop ao estilo da rapper Norte-Americana. 

Bree Runway foi também convidada pela cantora Nipo-Britânica Rina Sawayama para participar no remix do seu mais recente single “XS”.

TAYLA PARX

Mais conhecida pelo seu papel no filme Hairspray e na série Gilmore Girls, Tayla Parx faz parte do cenário da indústria musical desde os 19 anos. Além de ter nove nomeações aos Grammy por escrever letras para o álbum Thank You Next da cantora pop Ariana Grande e para o álbum Bigger do também Norte-Americano John Legend, a artista de 27 anos ajudou também a escrever vários hits que chegaram ao top 10 da tabela Billboard Hot 100 como “Love Lies” de Khalid e “Normani”, e “High Hopes” do grupo Panic! at the Disco. Tayla também conta com participações em canções de artistas como Jennifer Lopez, BTS, Jason Derulo, Mariah Carey, Camila Cabello e abriu a digressão musical da cantora Lizzo, em 2019. 

Tayla Parx terminou 2020 com o lançamento do seu primeiro álbum de estúdio Coping Mechanisms, uma mistura entre o disco, o pop e o R&B que expressa as experiências amorosas da cantora. 

DYO

Compositora para estrelas internacionais como a banda Norte-Americana Maroon 5, Jacob Banks e Fifth Harmony, Dyo ficou conhecida pela sua colaboração na música “Sexual” com o produtor Sueco Neiked, que chegou ao top 5 da UK Singles Chart em 2016. 

Agora, a cantora Inglesa, que mistura o Afroswing com R&B e o pop, lançou o seu primero EP intitulado Dyologue e está a chamar a atenção da indústria devido à sua mistura de sonoridades.  

O último single “Let Them Talk”, em colaboração com a cantora Nigeriana Simi, foi descrita pelo jornal The Independent como brilhante e cativante. 

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

nv-author-image

André Martins

Autor do blog de musica https://medium.com/ecletico. Português, a viver em Espanha, com um pé entre Angola e Moçambique e outro no Brasil. Estudei Produção Musical na cidade berço dos U2, Dublin, na Irlanda, mas sou viciado em quase qualquer tipo de música. Escrevo sobre cantores e bandas que se destaquem ou só porque valem a pena conhecer pelo seu trabalho ou a sua estória. Entre aulas de canto e de piano, também escrevo estórias minhas em música.