BM, o grupo de amigos que quer limpar e unir Luanda e luandenses

Fundada há cinco anos, a BM, uma organização de vários amigos residentes na zona do Maculusso, em Luanda, que querem devolver à capital angolana o sentido comunitário.

De cariz social, o objectivo da organização é conscientizar a juventude sobre a necessidade de protecção dos bens públicos, combate às drogas, promover a união e o trabalho solidário.

O grupo está por trás de alguns projetos de carácter filantrópico luandenses, desde a reabilitação e limpeza de espaços públicos ao combate contra o flagelo das drogas.

Atualmente, mesmo com a pandemia, o grupo fundado por Sacrista Kihanda, Kelson Márcio Varela, Jorge Fonseca, Adilson Daniel e Kilson Cristóvão, continua ativo. Em alusão ao aniversário da cidade de Luanda, no passado mês de janeiro, o BM saiu para as ruas para limpar as zonas circundantes às casas de banho públicas do Maculusso, e que se encontravam degradadas.

Assumindo um papel que é do Estado, apesar dos parcos meios, o grupo de amigos quer ajudar a requalificar zonas “que carecem de alguns cuidados essenciais, trazendo consigo um toque de inclusão a todos aqueles que se preocupam com o bem estar da população e que pretendem contribuir de alguma forma para a conservação dos bens públicos, vias públicas e outros”, conforme podemos ler no comunicado enviado às redações.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

nv-author-image

Bruno Dinis

Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.