Mario Lucio 1 - 11_03 Alta | FESTLIP

13ª edição do FESTLIP arranca nesta sexta-feira

O músico cabo-verdiano Mário Lúcio é o homenageado da edição deste ano do Festival Internacional das Artes da Língua Portuguesa (Festlip), que decorrerá entre os dias 26 e 30 de março, totalmente online, anunciou a organização.

O 13.º Festlip vai reunir artistas do Brasil, Portugal, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné Equatorial, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, em espetáculos de música e teatro, debates, mostra gourmet, atividades para crianças e exibição de filmes em parcerias inéditas com o FIL — Festival Internacional Intercâmbio de Linguagens e o Cabíria Festival. 

A edição deste ano conta com o apoio da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e o patrocínio da Lei Aldir Blanc, Governo Federal do Brasil, Governo do Estado do Rio de Janeiro e Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa.

O FESTLIP vai contar com a presença de nomes como Hêlo Lima, debates com mediação de Bianca Freire-Medeiros, histórias com Silvia Castro, apresentação da curta-metragem Nascente produzida pela diretora Safira Moreira e teatro com Dias de Birgitt de Sikinada Cia de Teatro e Dois do Elenco da Trupe do FESTLIP e Coletivo Complexo Duplo do Brasil.

O diretor brasileiro Moacyr Goés irá também fazer uma oficina teatral composta por 10 aulas, que será direcionada a cinco atores internacionais falantes de português, com bolsas de estudo da área concedidas pela organização.

Segundo Tânia Pires, diretora do FESTLIP, no segundo ano consecutivo em que toda a programação é apresentada de forma virtual e gratuita, passa a existir mais uma vez a oportunidade de se aproximar os países lusófonos.

“Temos a oportunidade de estreitar ainda mais os laços que nos unem aos demais países de língua portuguesa. Somente no ano passado, cerca de 5 milhões de pessoas estiveram conectadas ao FESTLIP durante as apresentações nos canais da internet, nas retransmissões da TPA de Angola e nas interações do público dos nove países com o conteúdo do festival ao longo do ano”, celebrou Tânia Pires.

No ano passado, o evento aconteceu pela primeira vez em formato digital devido à pandemia do coronavirus. Na mesma edição, nasceu na programação o “Festival Som da Língua”, que foi dirigido pelo cantor angolano Paulo Matomina, onde atuaram nomes como Abel Dueré, a cantora brasileira Luanda Cozetti e o seu grupo Couple Coffee, Dj Mam do Brasil, Iragrett Tavares da Guiné Bissau, Otis Selimane de Moçambique, o instrumentista Yami vindo de Portugal, entre outros.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com

TRABALHO DE PRETO
nv-author-image

Bruno Dinis

Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.