Ansu Fati

Ansu Fati é o melhor jogador jovem do mundo

Com 18 anos, Ansu Fati, jogador guineense nacionalizado como espanhol, venceu na última terça-feira o prémio NxGn de Melhor Jogador Jovem do futebol mundial, promovido pelo site inglês Goal.

Ansu bateu de frente com o franco-angolano Eduardo Camavinga (Rennes) e o inglês Gio Reyna (Borussia Dortmund), que acabaram por ficar em segundo e terceiro lugar, respetivamente. A distinção aconteceu na sequência da votação de jornalistas globais do site.

Em entrevista ao Goal, o jogador manifestou a sua satisfação e agradeceu a todos os que fizeram parte do seu desenvolvimento dentro do desporto. “Quero agradecer a todos que votaram por mim, e é claro, meus companheiros de equipa, sem eles, nada disso seria possível. Também agradeço a todos os treinadores com quem já trabalhei”, disse Fati.

Na lista dos 50 jovens jogadores, além de Ansu e Camavinga, constam também os jogadores portugueses, Nuno Mendes, do Sporting, em décimo terceiro, e Joelson Fernandes, origem guineense e a representar também o clube de Alvalade, em quadragésimo quarto lugar.

Ansu Fati fez duas temporadas no escalão de profissionais com a camisola do Barcelona, entretanto, quebrou vários recordes e tornou-se também no jogador mais jovem a marcar num jogo da Liga dos Campeões da UEFA.

Fora o Barcelona, o jovem jogador também quebrou recordes com a emblema da seleção espanhola. Com apenas 18 anos, Fati também é o mais novo atleta a marcar pela seleção depois de fazer a sua estreia em setembro de 2020.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com

nv-author-image

Bruno Dinis

Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.